Ancine retira cartazes de filmes de sua sede e dados sobre filmes de site

Decisão de deixar de publicar dados sobre lançamentos foi para garantir isonomia, informa órgão

São Paulo

O primeiro presidente da Ancine, Gustavo Dahl, instalou quadros nos corredores e nas salas da agência do cinema para exibir os pôsteres dos filmes brasileiros em cartaz, a nova chefia resolveu arrancar tudo das paredes.

Eram mais de cem quadros, com moldura e vidro, que podiam ser abertos e tinham os cartazes trocados periodicamente, sempre acrescentando as novidades do cinema nacional. Estavam lá desde 2002.

Na sexta-feira (29), todos foram removidos dos espaços comuns dos dois edifícios da Ancine, que ocupa 13 andares em um prédio na avenida Graça Aranha e mais três em outro na rua Teixeira de Freitas. Foram levados a um depósito na rua Moraes e Vale, tudo no centro do Rio de Janeiro.

Pôster do filme 'O Bandido da Luz Vermelha'
Pôster do filme 'O Bandido da Luz Vermelha' - Divulgação

O mesmo apagão aconteceu no site da instituição. Há duas semanas, uma aba fixa mostrava os cartazes das novas produções brasileiras. Clicando sobre cada cartaz, acessava-se a ficha técnica do filme, com diretor, sinopse etc. Não mais. A barra sumiu.

Nos corredores e nas salas de reuniões gerais não ficaram nem mesmo as molduras envidraçadas. Além de filmes novos, alguns clássicos também foram removidos, como “Deus e o Diabo na Terra do Sol" (1964), de Glauber Rocha, “O Bandido da Luz Vermelha” (1968), de Rogério Sganzerla, e “Cabra Marcado para Morrer” (1984), de Eduardo Coutinho.

Nas áreas internas de cada setor, porém, alguns quadros sobrevivem nas paredes. Quanto à televisão de 50 polegadas que exibia trailers nacionais no saguão de entrada do edifício principal, essa também está desligada desde a última sexta-feira.

O diretor de comunicação da Ancine, Érico Cazarré, afirma que a retirada das informações do site foi definida em reunião com o presidente-interino do órgão, Alex Braga, em meados de novembro. A razão, diz, é que o órgão decidiu priorizar a sua área reguladora em relação à de fomento.

“Havia muitos pedidos de divulgação, de festivais a eventos e palestras. Se eu fosse botar um filme, teria que ter todos. Depois, informações de distribuidores e produtores, e por aí vai. Por isonomia, optamos por não divulgar mais nada”, afirma Cazarré.

O assessor nega que o ato tenha sido provocado porque a Ancine não quisesse divulgar filmes com temas que contrariam as posições políticas dos apoiadores do atual governo, como apareceu nas redes sociais. Nos corredores, é uma teoria discutida por alguns funcionários.

Quanto à TV desligada e à retirada dos quadros na sexta-feira, a ordem partiu diretamente da diretoria.
“Isso tem cheiro de censura”, diz Vera Zaverucha, uma ex-diretora da Ancine que, apesar de não fazer mais parte da instituição, não se conteve e escreveu ao órgão na segunda-feira (2) perguntando o porquê da retirada dos quadros do prédio. “Ficou vazio e pouco atrativo”, acrescentou.

A resposta foi semelhante à que o assessor deu à Folha: “Na compreensão de que diversos agentes econômicos estão à espera de um tratamento institucional isonômico, e (...) considerando a impossibilidade de contemplar as demandas específicas de cada um, a Ancine optou por interrupção das ações de divulgação constantes”.

“Lamentável”, treplicou Zaverucha.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.