Bolsonaro demitiu Alvim após pressão do Congresso e da comunidade judaica

Em conversa por telefone, e o presidente chegou a dizer ao secretário especial que ele permaneceria no posto

Brasília

Antes de deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta sexta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro já havia sido informado sobre a repercussão negativa do vídeo em que Roberto Alvim, seu secretário nacional de Cultura, parafraseou Joseph Goebbels, ministro da Alemanha nazista. 

Em um primeiro momento, Bolsonaro optou pelo silêncio.

O presidente saiu da residência oficial por volta de 8h30 e evitou falar com os jornalistas que o aguardavam. "Obrigado, imprensa", disse após cumprimentar apoiadores e entrar no carro. 

Pela manhã, Bolsonaro recebeu diretamente, e por meio de seus auxiliares, queixas de integrantes da comunidade judaica brasileira, que são parte de sua base de apoio. 

Inicialmente, a ordem era de que o Planalto não comentaria o caso e que caberia a Alvim dar as explicações pelo vídeo divulgado. 

Bolsonaro e Alvim conversaram por telefone, e o presidente chegou a dizer ao secretário especial que ele permaneceria no posto. 

O agora ex-secretário passou então a dar uma série de entrevistas dizendo que não tinha a intenção de elogiar o regime nazista, responsável pela perseguição e assassinato de milhões de judeus. 
Com o aumento da pressão, horas depois, Bolsonaro foi obrigado a recuar.

Ao longo da manhã, deputados e senadores entraram em contato com o Palácio do Planalto cobrando a exoneração. 

Segundo relatos feitos à Folha, líderes da comunidade judaica, cujo apoio ao governo é considerado estratégico pelo presidente, também pediram a Bolsonaro a demissão de Alvim. 

A intenção era tentar afastar a crise da Presidência e, em especial, não envolver o secretário de Comunicação Social, Fabio Wajngarten, fragilizado após reportagem da Folha mostrar que ele recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de agências de publicidade e emissoras de TV contratadas pela própria Secom.

Além disso, houve uma preocupação com o fato de Wajngarten ser judeu e de que qualquer comunicação assinada por sua pasta pudesse transparecer que ele estivesse agindo em causa própria. 

Ainda pela manhã, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi às redes sociais pedir a saída de Alvim do cargo. 

"O secretário de Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo", escreveu. 

De uma reunião com o presidente, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, saiu com a missão de acalmar os líderes do Congresso. 

Ele mesmo ligou para Maia e para o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para avisá-los de que Bolsonaro havia decidido demitir Alvim. O comunicado seria publicado oficialmente pelo Palácio do Planalto nas horas seguintes. 

Coube a Ramos também tomar a dianteira do caso e telefonar para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, para informar a decisão do presidente de demitir Alvim. 

Cultura é atualmente subordinada ao Turismo, pasta para onde foi transferida em novembro, após controvérsias do Ministério da Cidadania com o ex-secretário Henrique Pires, que deixou o cargo acusando o titular, Osmar Terra, de tentativa de censura.

As críticas a Alvim vieram até de aliados, como o escritor Olavo de Carvalho, e foram endossadas pelo comando da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e do STF (Supremo Tribunal Federal).

"É inadmissível termos representantes com esse tipo de pensamento. E, pior ainda: que se valha do cargo que ocupa para explicitar simpatia pela ideologia nazista e, absurdo dos absurdos, repita ideias do ministro da Informação de Adolf Hitler, que infligiu o maior flagelo à humanidade", escreveu Alcolumbre em redes sociais. 

O presidente do Senado é de origem judaica e base de apoio do governo Bolsonaro. Em relatos feitos à Folha, integrantes da embaixada de Israel também manifestaram estarem perplexos com o vídeo publicado por um integrante do governo. 

No fim da tarde, a embaixada se posicionou oficialmente no Twitter sobre a demissão de Alvim. 

"A comunidade judaica e o Estado de Israel estão unidos no combate a todas as formas de antissemitismo. Por essa razão, a Embaixada de Israel apoia a decisão do governo brasileiro de exonerar o secretário especial de Cultura, Roberto Alvim", escreveu a missão diplomática.

Alvim estava em seu gabinete atendendo jornalistas quando foi informado, por telefone, de sua demissão. 

Ele interrompeu a agenda de compromissos e decidiu ir por conta própria ao Planalto, numa tentativa de dar explicações ao presidente. 

O então secretário não foi recebido por Bolsonaro, que delegou a Ramos e ao chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a missão de informar a ele que sua permanência no governo era insustentável. 

Uma nota confirmando a saída de Alvim foi distribuída à imprensa no início da tarde, quando Bolsonaro já havia deixado o Planalto para participar de um almoço de confraternização com integrantes da Secretaria de Governo.

No texto, ele classificou como "infeliz" o fato de o auxiliar presidencial ter parafraseado um discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda da Alemanha nazista, e ressaltou que, mesmo que ele tenha se desculpado, o episódio "tornou insustentável a sua permanência".

"Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas", afirmou. 

"Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos valores em comum", disse.

Ao longo da tarde desta sexta, aliados do presidente passaram então a buscar substitutos para ocupar a Secretaria de Cultura, marcada por controvérsias desde o início do governo.

No fim da tarde, a coluna Mônica Bergamo revelou que a atriz Regina Duarte foi convidada para o posto. A resposta ao governo será dada até este sábado (18). 

Ainda entre os nomes cotados estavam Letícia Dornelles, presidente da Casa de Rui Barbosa, o cartunista Ique Woitschach e o artista plástico Muti Randolph.

Além disso, o governo Bolsonaro discute a possibilidade de transferir novamente a Cultura para outros ministérios. Entre eles estão Relações Exteriores e Cidadania.

O governo não sabe informar ainda se o Prêmio Nacional das Artes, anunciado no vídeo por Alvim, terá continuidade. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.