Descrição de chapéu
Cinema

Sobra tecnologia em filme com Harrison Ford, mas falta mais encantamento

'O Chamado da Floresta' põe o ator para interagir com cachorro feito em CGI

O Chamado da Floresta

  • Quando Estreia nesta quinta (20)
  • Classificação Livre
  • Elenco Harrison Ford, Karen Gillan e Dan Stevens
  • Produção EUA, 2020
  • Direção Chris Sanders

“O Chamado da Floresta” é divertido e emocionante. Pode receber tranquilamente o selo de filme para toda a família. Mas algo parece incomodar. O que deveria ser uma das principais atrações do longa talvez provoque alguma estranheza na plateia.

O filme tem um cachorro herói, o gigantesco Buck. Cão mimado de uma família rica da Califórnia, no final do século 19, ele é roubado e levado para o norte do Canadá, um mundo de montanhas e neve, para ser puxador de trenó entre garimpeiros que estão em busca de ouro.

O livro “O Chamado da Floresta” (1903), de Jack London, é um clássico da literatura americana, obrigatório para os leitores jovens. Sua história já foi levada para vários filmes, mas nunca antes com a tecnologia empregada nessa nova produção.

Buck e todos os animais na tela são gerados por computação gráfica. Nas primeiras cenas com o cachorrão, o visual chega a incomodar. Centradas nas travessuras de Buck na mansão da família, as sequências deixam a impressão de trazer uma espécie de novo Scooby-Doo. Mas quando a ação é transportada para as montanhas de Yukon, tão selvagens e rudes como os milhares de garimpeiros em busca de fortuna, o filme ganha tons sombrios.

Buck vai sofrer um bocado antes de se tornar o líder de uma matilha de puxadores de trenó, trabalhando para o homem boa-praça que entrega correspondência na região gelada. Muitas cenas são protagonizadas exclusivamente pelos cães da matilha. Nesses momentos, a sensação de estar assistindo a uma historinha da Disney retorna. Só falta os animais começarem a falar.

A sorte de Buck muda. Ele é ameaçado por um vilão que o maltrata. Mas o cachorro terá uma ajuda providencial. Como Harrison Ford está no cartaz no filme, fica claro que um herói vai surgir.

A segunda parte da narrativa é uma viagem de Buck e do garimpeiro John Thorton a extremos inexploradas do norte do Canadá.

Harrison Ford teve a dura tarefa de contracenar sozinho a maior parte do tempo, em cenas que depois receberam a figura grandalhona de Buck. A conexão entre atores e imagens computadorizadas é ótima. O diretor do filme, Chris Sanders, tem um currículo invejável em animação. Ele dirigiu “Lilo & Stitch”, “Como Treinar o Seu Dragão” e “Os Croods”.

Quem não comprar muito bem a ideia dos cães animados talvez reclame também do roteiro um tanto simplório. Sem a beleza da prosa de Jack London, a ação é previsível. Até porque algumas situações do livro clássico já foram usurpadas inúmeras vezes por outros filmes estrelados por cachorros.

Sobra tecnologia em “O Chamado da Floresta”. Falta mais encantamento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.