Com futuro incerto, Regina apresenta plano de cultura para Bolsonaro e desafeto

Presença do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, na reunião, põe em dúvida a autonomia da atriz

Brasília

​Após um vaivém na presidência da Funarte (Fundação Nacional de Artes) na terça-feira (5), a atriz Regina Duarte foi recebida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para um almoço no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (6).

O clima, segundo relatos feitos à Folha, foi de descontração, mas a presença de Regina à frente da Secretaria Especial a Cultura ainda é incerto.

Na véspera, Bolsonaro havia devolvido à presidência da Funarte o maestro Dante Mantovani, que havia sido exonerado pela secretária no dia em que ela foi nomeada.

Depois da repercussão, a Casa Civil tornou a nomeação de Mantovani sem validade.

A mudança foi vista como uma vitória de Regina que, há apenas dois meses no cargo, enfrenta dificuldades para nomear sua equipe.

Porém, sua autonomia à frente da pasta é vista como limitada como demonstrou a presença do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, na reunião.

Os dois têm divergido e Camargo não esconde sua rivalidade com a titular da Cultura, a quem frequentemente dispara críticas pelas redes sociais, muitas delas de forma indireta.

A atriz planejava destitui-lo do cargo, mas não conseguiu.

O nome de Camargo não constava na agenda, mas ele participou da reunião a convite de Bolsonaro.
Ao deixar o Palácio do Planalto, o presidente da Fundação disse que o almoço havia sido agradável e que não havia divergências entre ele e a titular na Cultura.

Na sequência, ele fez um post provocativo em sua conta do Twitter.

“Embora não seja da equipe de Regina Duarte, fui convidado pelo presidente a participar da reunião. Quando cheguei havia uma cadeira desocupada ao lado dele. O lugar estava reservado para mim. Sinto-me honrado! Regina e seus secretários não sabiam que participaria. Surprise!”, escreveu.

Durante a reunião, que precedeu um almoço, Regina fez apresentações sobre o que espera para a Cultura e seus planos de reestruturação da pasta.

Sua equipe espera que seja publicado nesta quinta-feira (7) um decreto com a reestruturação da Secretaria, solicitada por Regina desde que estava no período de transição.

A pasta tem ainda parte de sua estrutura vinculada ao Ministério da Cidadania, ao qual era subordinada até o fim do ano passado, antes de ser transferida ao Ministério do Turismo.

A reunião contou com a presença de integrantes da equipe da Cultura e assessores palacianos, como o SAE (Secretário de Assuntos Estratégicos), o contra-almirante Flávio Rocha, e ajudantes de ordem do presidente.

O ministro Marcelo Álvaro Antonio (Turismo), a quem Regina é subordinada, também foi convidado.

O Palácio do Planalto, numa tentativa de mostrar normalidade na relação da secretária e do presidente, publicou fotos da reunião em que a atriz aparece ao lado do presidente e sorrindo em diversas imagens.

Nos bastidores, porém, Bolsonaro ainda se mantém cético sobre a permanência da atriz em sua gestão.

Ele deu aval à ala dos ideológicos para iniciar um processo de fritura da atriz, que vem sendo apontada como “esquerdista” pelo grupo bolsonarista mais fiel.

Ela foi impedida, por exemplo, de nomear o produtor de teatro Humberto Braga para a Secretaria.

Segundo aliados, Regina agora trabalha para tentar pacificar sua relação com o governo e deve permanecer em Brasília.

​Sua permanência em São Paulo por mais de um mês, após o início da pandemia, foi criticada publicamente por Bolsonaro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.