Descrição de chapéu Livros Flip

Conceição Evaristo tem fila digna de pop star na Flip e afirma que trabalha em rap

Leitores lotaram a Casa Estante Virtual para acompanhar a romancista mineira na programação paralela da festa literária

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paraty (RJ)

Ninguém atraiu mais as atenções no centro de Paraty, no Rio de Janeiro, na manhã nublada deste sábado do que a escritora mineira Conceição Evaristo. Às 10h10, minutos antes de começar um evento com a presença dela na Casa Estante Virtual, uma fila de cerca de 300 metros se formava pelas ruas de pedra sabão.

Ao se dar conta da quantidade de gente à espera da apresentação da romancista de 76 anos, um leitor desistiu e comentou que a fila estava maior que as dos shows da cantora americana Taylor Swift no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Conceição Evaristo na Flip, a Festa Literária Internacional de Paraty de 2023
Conceição Evaristo na Flip, a Festa Literária Internacional de Paraty de 2023 - Zanone Fraissat/Folhapress

O salão onde Evaristo estava foi insuficiente para o público. Assim, as pessoas ocuparam os demais cômodos da casa, onde foram instaladas caixas de som –se seria inviável ver a autora, era possível ao menos ouvir as histórias dela.

A rua também ficou tomada por admiradores de Evaristo, que esticavam o pescoço para acompanhar sua fala através das janelas. "Ela deveria falar para o público em um lugar mais amplo", disse a professora aposentada Maria Antonia Freitas da Silva, de 77 anos, que veio de Salvador para Paraty principalmente para ver Evaristo.

A julgar pelos aplausos recorrentes, a espera valeu a pena. O público reagiu com entusiasmo quando Evaristo disse que estava preparando um rap. "Alguns rappers demonstraram interesse em gravar, Emicida foi um deles", disse ela à reportagem logo depois da palestra. "Vai se chamar ‘Rap da Experiência'."

Durante a fala, fez pontes entre o passado e o presente da cultura negra no Brasil. "Emicida rompe a tradição ao dizer ‘é nóis’, o que é visto como erro pela norma culta. Ele incomoda os puristas, assim como Carolina de Jesus, que havia criado neologismos em seus livros. Por que Guimarães Rosa podia e Carolina não?", questionou.

Evaristo também comentou o recém-conquistado Prêmio Juca Pato de intelectual do ano. "Não posso ser uma exceção. No ano que vem, os intelectuais brancos vão ficar quietinhos no lugar que eles têm e premiarão novamente uma negra ou um negro", desafiou.

Autora de romances, como "Ponciá Vicêncio", de 20 anos atrás, e "Canção para Ninar Menino Grande", do ano passado, e volumes de contos, como "Olhos d’Água", de 2014, Evaristo discorreu sobre a presença da morte na sua literatura. "Tenho fama de ser assassina, muitos personagens meus se encontram na morte. Mas é uma morte que está clamando pela vida. A vida continua", disse. "Precisamos ter uma outra compreensão da morte."

No primeiro lugar da fila de autógrafos, que aconteceu logo depois da apresentação, a professora e poeta Benilda Amorim contou que "Insubmissas Lágrimas de Mulheres" é seu livro preferido de Evaristo, autora que acompanha atentamente desde 2017. Amorim também tinha vindo de Salvador para acompanhar os debates da Flip.

Também no sábado, a professora pretendia assistir ao debate com Evaristo e a também romancista Eliana Alves Cruz na Casa da Utopia, às 17h. Antes, às 14h30, a autora mineira falou com a jornalista Luciana Barreto na Casa Publish News.

No domingo, último dia da Flip, às 10h, Evaristo vai ao Sesc Santa Rita para comentar o livro "Macabéa, Flor de Mulungu", em que reinterpreta a personagem de Clarice Lispector.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.