FMI prevê queda de 2,6% na economia argentina em 2018

Fundo também espera inflação de 40% neste ano e nova contração em 2019

Sylvia Colombo
Buenos Aires

Informe divulgado nesta terça-feira (9) pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), depois de visita de comissão de análise da situação argentina pedido pela diretora do fundo, Christine Lagarde, anuncia números ruins para a economia local neste ano.

Segundo o relatório, apresentado em Bali, a economia argentina cairá -2,6% neste ano, quando a previsão anterior era de crescimento de 0,4%. Ambos números ficam distantes das estimativas do governo Mauricio Macri no começo de 2018, que era de um crescimento de 2%.

A conclusão não coloca em risco, por ora, o acordo feito pelo Estado argentino com a entidade, em que esta lhe garantirá uma linha de crédito de US$ 57 bilhões nos próximos 36 meses. Porém, é um alerta, uma vez que a retomada do crescimento, a redução da inflação e a redução do déficit fiscal estão  entre os requisitos para a liberação do dinheiro. A Argentina já recebeu, deste monto, US$ 15 bilhões, usados

para conter a disparada do dólar, hoje cotizado a 36,90. O país vem enfrentando uma crise crônica por não conseguir financiar o déficit de seu orçamento.  Por isso, há muita expectativa em que o Congresso aprove o orçamento enxuto enviado ao parlamento pelo Executivo. A oposição peronista moderada e a kirchnerista tem várias ressalvas ao documento.

O relatório do FMI diz: “depois de crescer  2,9% em 2017, se espera que a Argentina se contraia em 2,6% em 2018, com uma contração adicional de 1,6% em 2019. Se as reformas tiverem sucesso, se espera um crescimento de 3,2% a médio prazo, na medida em que estas trouxerem de volta a confiança e os investimentos internacionais.”

O FMI também prevê que a inflação chegará  a 40% até o fim do ano —está em 27% agora_ muito acima do estimado inicialmente pelo governo, de 15%.

A Argentina será o único país sul-americano a não crescer neste ano e apresentará crescimento negativo. Espera-se que o Brasil cresça 1,4% do PIB. O que mais crescerá deve ser, segundo a entidade, o Paraguai, com 4,4%, seguido da Bolívia, com 4,3% e o Chile, com 4%.
 

Erramos: o texto foi alterado

Diferente do publicado na primeira versão, de acordo com o FMI, a economia argentina cairá 2,6% este ano, não 0,26%.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.