Foi ganância, o negócio do livro é pequeno, afirma Evandro Martins Fontes

Livreiro diz que mercado não tem vocação para redes do porte da Saraiva e Cultura

Joana Cunha
São Paulo

Editor, livreiro e sócio da Martins Fontes, Evandro Martins Fontes diz que o mercado de livros brasileiro não tem vocação para redes do porte das varejistas Saraiva e Cultura.

Além de concorrente como varejista, o empresário é credor da Livraria Cultura enquanto editor.

Ele critica a política comercial adotada pelas grandes editoras para negociar com as livrarias Saraiva e Cultura, que diz terem sido favorecidas, prejudicando as pequenas e médias lojas de livros.

"Foi ganância. O negócio do livro é pequeno. É um modelo de negócio que não cabe nesse mercado", afirma.

000
Evandro Martins Fontes, sócio da Martins Fontes - Karime Xavier/Folhapress

 

Como o negócio de livros chegou a este ponto?

Deixei de fornecer livros para a Livraria Cultura há dois anos por falta de pagamento.

Essa crise não é novidade. Surpreende-me quando agora vem a público o montante que algumas editoras têm com essas empresas. Fico espantado. Como os diretores dessas editoras permitiram que isso acontecesse? Eu os vejo como coniventes.

Uma editora não chega a um valor como esse [de dívidas acumuladas pelas livrarias] em pouco tempo. Se essas editoras fossem empresas de capital aberto, esses diretores estariam sofrendo pressão para se afastar.

Algumas editoras estão em campanha para estimular o consumo de livros. O que achou da iniciativa?

O Luiz Schwarcz [presidente do grupo Companhia das Letras] aparece na mídia fazendo campanha, se declarando apaixonado pelo livro. Acho piegas, sou bem crítico.

Esses grandes grupos editoriais, ao longo desses anos todos, praticaram uma política comercial bastante diferente, oferecendo descontos muito maiores para Saraiva e Cultura do que para as pequenas e médias livrarias. Ele não teve paixão pelas livrarias pequenas na última década.

Ao longo dessa mais de uma década em que assistimos ao crescimento de Saraiva e Cultura, eu testemunhei muitas pequenas livrarias fechando as portas em decorrência desse crescimento dessas duas redes.

A que o sr. atribui a crise das empresas?

O pequeno e médio livreiros nem conseguem comprar diretamente de uma editora como a Companhia das Letras.

Ele é obrigado a comprar por meio de um distribuidor, que, para conseguir ter margem, vende com desconto máximo de 40%, enquanto o desconto recebido pela Saraiva pode ter certeza de que não era menos de 60%.

Na sua opinião, houve má gestão?

É um certificado de irresponsabilidade administrativa. Vejo um problema de modelo de negócio. E não uma crise do livro como produto. As vendas de livros cresceram. Esses casos são pontuais.

Por umas três décadas, a Cultura teve uma única livraria no Conjunto Nacional, na avenida Paulista, durante esse tempo não atrasava nem um pagamento sequer ao fornecedor. Só trabalhava com pedido firme de compra, sem consignação.

A Saraiva passou a investir em grandes lojas em shoppings, e a Cultura quis concorrer e começou a abrir lojas em shopping.

O sr. considera que tenha sido um passo maior que a perna?

Foi ganância. O negócio do livro é pequeno. É um modelo de negócio que não cabe nesse mercado. A Saraiva já foi uma editora importantíssima publicando livros jurídicos.

Eles venderam a editora. Desfizeram-se do carro-chefe. Passaram a vender eletrônicos e viraram as costas para o livro.

Onde está o erro nesse modelo de negócio que eles experimentaram?

O filho chega com outra visão, querendo abrir capital. Mas, para isso, tem de ter volume.

Só que, desde 2014, o país se viu numa situação econômica complicada. Como você investe em lojas em grandes shoppings? Tem de pegar dinheiro emprestado. Parte da dívida delas é com o BNDES.

A partir de agora, como ficam esse mercado e a evolução da cultura de leitura no Brasil?

Eles deixam um prejuízo gigante para o mercado. É inegável a contribuição que essas empresas trouxeram há décadas, mas o legado que fica a partir de agora é prejuízo. Apaga o que foi feito lá atrás. Não sou otimista, não tenho expectativa de que elas se recuperem.

Como editor, quanto é a dívida deles com vocês?

É mínimo comparado com os outros credores porque deixei de fornecer em outubro de 2016, mas supera R$ 200 mil.

A dívida da Cultura, não só com editores, supera R$ 200 milhões. Como você gera um prejuízo dessa natureza e ainda posa de bonzinho porque trabalha com livro, que é visto como um produto cultural?

Estou sempre vendo Pedro Herz [sócio da Cultura] passeando em Nova York, Frankfurt. Por um bom tempo, ele andou de helicóptero em São Paulo, para cima e para baixo. Vou fechar os olhos para isso? Eu sou credor.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.