Brasileiro rejeita privatização, diz Datafolha

Apesar da vitória de liberais, 60% são contra vender estatais, e 57%, contra redução da CLT

Igor Gielow
São Paulo

As eleições de 2018 consagraram políticos que se diziam comprometidos com princípios liberais na economia, como o presidente Jair Bolsonaro e os governadores João Doria (SP) e Romeu Zema (MG).

Mas dois itens usualmente associados a esse ideário, privatizações e redução das leis trabalhistas, são rejeitadas pela maioria dos brasileiros: 60% e 57% dos ouvidos pelo Datafolha sobre as práticas, respectivamente, discordam delas.

A pesquisa, realizada em 18 e 19 de dezembro, ouviu 2.077 pessoas em 130 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos.

Ela aponta que 34% concordam que o governo deve vender o maior número possível de suas empresas.

Outros 5% não têm opinião formada, e 1% se diz neutro.

Tema presente de discussões eleitorais desde o pleito de 1989, a venda de estatais passou os anos do PT no poder (2003-2016) como um tabu.

É um clássico do marketing político o efeito que a associação entre o PSDB e a prática teve na candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência em 2006. O tucano chegou a envergar um macacão com logomarcas de estatais, só para terminar o segundo turno com menos votos do que o primeiro, sendo derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Hoje, apenas entre partidários da sigla de Bolsonaro, o PSL, o apoio às privatizações é majoritário: 65% defendem a medida.

Já entre aqueles que simpatizam com o PSDB, partido historicamente ligado à privatização devido às ações do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), o número cai a 41%.

Os petistas estão na ponta contrária, com o menor apoio entre quem declara simpatizar com partidos (29%).

Mesmo o novo presidente titubeia sobre o assunto. Enquanto seu ministro da Economia, Paulo Guedes, defende privatizações amplas, ele já fez a defesa de manter estatal o que considera estratégico.

Nesta sexta (4), Bolsonaro levantou dúvida sobre a compra da divisão de aviação civil da Embraer pela Boeing porque há a possibilidade de os 20% brasileiros da nova empresa serem vendidos aos americanos, ameaçando o que ele chamou de "patrimônio nosso" —embora a empresa seja privada desde 1994.

0
Apoio às privatizações, como a da Embraer, só é majoritário entre os eleitores do PSL, de Bolsonaro - Cassio Roosevelt/Reuters

Segundo o Datafolha, apoiam mais as privatizações homens, pessoas com curso superior e moradores do Centro-Oeste e do Norte.

Além do grupo de simpatizantes do PSL, a maior concordância com a prática é registrada entre os mais ricos, aqueles que ganham mais de dez salários mínimos: 56%.

Já discordam mais da medida mulheres, pessoas com escolaridade média, moradores do Sul e do Nordeste e os mais pobres.

Já em relação à reforma trabalhista, se mostram a favor da redução de leis no setor 40% dos brasileiros.

Além dos 57% contrários, há também 3% de pessoas que dizem não ter opinião.

Aqui, homens, mais ricos e moradores do Sul são mais favoráveis à medida. No espectro de simpatia partidária, novamente aqueles que gostam do PSL de Bolsonaro lideram: 50%.

Entre os que mais a condenam estão os mais pobres, mulheres, moradores do Centro-Oeste e do Norte e simpatizantes do PT —estes com 65% de discordância.

SALÁRIO DAS MULHERES

Durante a campanha eleitoral de 2018, uma justificativa dada no passado pelo então presidenciável Jair Bolsonaro para o fato de que mulheres ganham menos do que homens nas mesmas funções foi resgatada e gerou polêmica.

Bolsonaro afirmara que o fato de mulheres poderem ter licença-maternidade levava empregadores a pagar menos a elas e dizia que faria o mesmo. Na campanha, quis negar e levar o debate para o campo institucional, afirmando que esse era um tema para a Justiça trabalhista.

O Datafolha perguntou, em pesquisa com 2.077 pessoas de 130 cidades feita em 18 e 19 de dezembro, se o entrevistado concordava ou não que a questão da remuneração feminina era um problema das empresas, e não do governo.

Metade dos ouvidos discordou. Outros 47% concordaram, um empate dentro da margem de erro de dois pontos com o percentual de quem concorda, enquanto 1% se disse neutro e outro 1% não soube responder.

Entre as mulheres, 52% acham que é problema do governo, enquanto 45% disseram que era assunto das empresas. Já entre homens, houve empate em 49% dos que concordaram com o enunciado e 48% que discordaram.

Na estratificação, se destacam entre grupos que acham que a questão não é só das empresas os mais jovens (de 16 a 24 anos, 58%) e quem tem curso superior (56%).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.