Lenta recuperação de vagas ameaça levar o Brasil a desemprego estrutural

Desemprego de longa duração, que considera desocupados há mais de um ano, está maior do que em 2014 e 2012

Flavia Lima
São Paulo

O recuo lento e errático do contingente de desocupados e um universo amplo de pessoas em ocupações precárias despertam temores entre analistas de que, para muitos trabalhadores, o desemprego deixe de ser uma condição temporária e passe a ser um problema crônico. 

Isso afetaria negativamente a economia como um todo.

O desemprego de longa duração, que considera as pessoas desocupadas há mais de um ano, estava, no fim de setembro de 2018, em 4,8% da força de trabalho, segundo dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Desempregados procuram empregos no centro de Sao Paulo
Desempregados procuram empregos no centro de Sao Paulo - Danilo Verpa/Folhapress,

O percentual está ao redor desse nível desde de 2017, bem acima da média de 2,4% registrada entre 2012 e 2014.

O número responde diretamente à lenta recuperação do mercado de trabalho.

Dados divulgados nesta quinta-feira (31) pelo IBGE mostram que o desemprego no Brasil fechou 2018 estável em relação a 2017 e atingiu 12,1 milhões de pessoas.

No total, o país encerrou o ano com 27 milhões de pessoas entre desocupados, aqueles que trabalham menos horas do que gostariam ou que estavam disponíveis para trabalhar, além de 4,7 milhões de desalentados (que desistiram de procurar trabalho) —ambos no maior nível da série.

O quadro todo preocupa, dizem analistas, ao afetar a empregabilidade e a reintegração no mercado de trabalho.

Além da preocupação quanto ao bem-estar dos indivíduos em condição tão precária, existe ainda o receio de que parte dessa alta do desemprego decorrente do ciclo recessivo recente se traduza também em elevação do desemprego estrutural, com efeito sobre o crescimento da economia, diz Rafael Bacciotti, analista da IFI (Instituição Fiscal Independente), do Senado.

"À pessoa que fica muito tempo fora do mercado de trabalho pode ficar mais difícil voltar e o que era uma situação temporária pode se tornar crônica", diz Bacciotti, que fez relatório sobre o tema. 

Marcelo Gazzano, economista da consultoria AC Pastore, diz que há evidências na literatura que indicam que um trabalhador desempregado por mais tempo se torna menos produtivo, num círculo perverso que pode o deixar estruturalmente fora do mercado e reduzindo o potencial de crescimento da economia.

 

"Quando as contratações sobem, as empresas investem em treinamentos, por exemplo, o que eleva a produtividade como um todo e melhora o mercado de trabalho", diz Gazzano.

Mas o contrário, diz, é verdadeiro também: um cara por muito tempo fora do mercado começa a perder habilidades e o apelo para o empregador.

De modo geral, a recuperação do emprego tem sido bem mais lenta do que o esperado pelos analistas, um reflexo tanto da intensidade da crise quanto da fraqueza da recuperação econômica.

Para a MCM Consultores, os dados do último trimestre de 2018 contêm sinais piores para o mercado de trabalho e, embora espere que esse resultado se reverta nos próximos meses, a equipe admite que a recuperação do emprego se mostra mais lenta do que inicialmente previsto.

Diante de um quadro tão desafiador, diz Bacciotti, da IFI, deveriam entrar em cena políticas sociais, como educação e qualificação de trabalhadores.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.