Sindicato de metalúrgicos vende seus carros com desconto de 40% para diretores

A benesse foi estendida a funcionários do sindicato, o que gerou perda de receita de R$ 1,8 milhão.

Catia Seabra
Rio de Janeiro

Em crise, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes pôs 101 automóveis à venda em agosto do ano passado. 

Na compra, diretores e assessores do próprio sindicato foram agraciados com um desconto de 40% em relação à tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). 

Com a benesse, que também foi estendida aos funcionários do sindicato, a entidade abriu mão de uma receita adicional de cerca de R$ 1,8 milhão.

Foi do presidente do sindicato, Miguel Torres, a decisão de conceder esse desconto, seguindo uma lista de prioridades também fixada por ele. 

Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes
Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes - Divulgação

Por esse critério, tiveram preferência os diretores do sindicato, seguidos por assessores que trabalham com carros e, por fim, os demais funcionários da entidade. 

Entre os beneficiados está o próprio presidente do sindicato. Torres pagou R$ 43,9 mil por um Duster Dakar 2016 avaliado em R$ 73 mil pela tabela de julho do ano passado.

Rodrigo Carlos de Moraes, diretor do sindicato e filho do secretário-geral da entidade, José Carlos Moreira, adquiriu um Honda City 2017 por R$ 39,4 mil, avaliado em R$ 65,6 mil.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, por sua vez, desembolsou R$ 28,2 mil pelo HB20 da Hyundai de 2015.

Reunidos em julho do ano passado, os diretores do sindicato decidiram dar um desconto de 20% na venda dos carros para os integrantes do sindicato. 

Dias depois, no entanto, Torres decidiu ampliar esse desconto para 40%. Como quatro carros já tinham sido vendidos 20% abaixo do valor da tabela, parte do dinheiro teve que ser devolvida aos seus compradores.

Noventa e sete carros foram vendidos segundo esse critério. Os demais foram encaminhados a concessionárias. Em geral, os diretores compraram os carros dos quais já dispunham. O pagamento foi feito à vista ao sindicato. 

Para as atividades sindicais, a entidade contratou uma cooperativa para aluguel de automóveis. Filiado à Força Sindical, o sindicato dos Metalúrgicos tem  61 diretores com direito a salário que varia de R$ 10 mil a 12 mil, além de dois funcionários e um carro. Um de seus assessores também tem direito a carro.

Pela tabela Fipe, a frota do sindicato poderia valer R$ 4,5 milhões. A venda dos carros rendeu R$ 2,7 milhões.

Procurada, a tesoureira do sindicato, Elza de Fátima Costa Lopes, disse ter acatado a decisão de Torres.

Procurado desde quinta-feira (31), o comando do sindicato não se manifestou. 

“Foi ordem do presidente Miguel Torres”, afirmou Elza.

Ex-mulher de Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical, Elza também comprou um carro com 40% de desconto. Ela pagou R$ 44,7 mil por um Elantra 2016 avaliado a R$ 74,4 mil.

Para cobrir suas dívidas, o sindicato também vendeu para uma cooperativa de créditos o prédio anexo à sua sede. O edifício foi vendido a R$ 6 milhões. Mas sindicalistas afirmam que valeria mais.  

 A venda do imóvel foi aprovada em assembleia, mas ocorreu sem licitação. 

Desde o ano passado, o sindicato enfrenta uma série de reveses. Foi, por exemplo, obrigado a pagar mais de R$ 3,1 milhões a um metalúrgico, cuja indenização entrara há um ano no cofre do sindicato sem que o trabalhador tivesse sido informado.

Há também dívidas trabalhistas. Desde 2017, com a redução de recursos destinados aos sindicatos, já foram demitidos pelo menos 72 funcionários e desligados outros 40 colaboradores da entidade.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.