Exportação de carros cai 45% puxada por crise argentina, diz Anfavea

Produção de veículos no período teve alta de 0,5%

Arthur Cagliari
São Paulo

As exportações de veículos no Brasil seguem apanhando devido à crise argentina. Os números de venda para fora do país recuaram em todas bases de comparação, de acordo com dados da Anfavea (associação das montadoras instaladas no país) divulgados nesta terça-feira (7).

Entre abril e março, a queda foi de 10,5%, enquanto em relação a abril de 2018, o recuo chegou a 52,3%. Já no fechamento do primeiro quadrimestre, a retração alcançou 45%, segundo a associação.

"A Argentina continua sendo um desafio para a indústria. O cenário não é positivo para a Argentina, e isso afeta diretamente o nosso negócio aqui no Brasil", disse o presidente da associação, Luiz Carlos Moraes.

Em relação à produção, no fechamento dos quatro primeiros meses do ano, o saldo de veículos produzidos ficou em 965,4 mil, uma queda de 0,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Entre março e abril de 2019, a quantidade de veículos produzidos cresceu 11,1%, enquanto na relação com abril de 2018, o avanço foi mais tímido e teve alta de 0,5%.

Caminhões em alta

Seguindo o movimento de 2018, o setor de caminhões avançou tanto em abril quanto no saldo dos quatro primeiros meses do ano.

No quadrimestre, embora a produção tenha ficado 1,9% superior a do mesmo período do ano passado, o emplacamento ficou 44,8% maior.

"Os grandes frotistas estão procurando renovar seus veículos, a taxa de juros é mais aceitável e tem a questão do agronegócio que deve ter a segunda maior safra de história", avaliou Moraes.

Para o presidente da associação, o impacto da paralisação dos caminhoneiros nesse aumento já não tem tanta expressão.

"Temos percebido algumas empresas querendo reduzir suas dependências da contratação de transportadoras, aumentando o mix de veículos na frota própria. Tem um impacto, mas não é muito grande."
Linha de produção de caminhões da Ford em São Bernardo do Campo
Linha de produção de caminhões da Ford em São Bernardo do Campo - Divulgação

Brasil x México

Durante o evento também foi apresentado um estudo comparativo feito pela consultoria PwC sobre a competitividade do setor automotivo brasileiro e o mexicano.

De acordo com os dados exibidos, um veículo brasileiro, ao chegar no mercado mexicano, custaria 24 pontos percentuais mais caro do que um produzido pelos próprios mexicanos.

No sentido oposto, o automóvel vindo do México custaria 12 pontos percentuais a menos do que o veículo nacional em território brasileiro. Isso mostra que, tanto aqui, quanto lá, o produto feito no Brasil é menos competitivo.

A participação da produção da indústria automotiva nas exportações também foi alvo de comparação para mostrar o enfoque dado pelo setor em cada país. Enquanto o Brasil, assim como Rússia, Índia e China, é mais focado em consumidores internos, o México se adequa ao grupo de países como Japão, Coreia do Sul e Alemanha, que miram o mercado global.

Segundo dados da pesquisa, 88% da produção mexicana de veículos leves é voltada para o comércio exterior. No Brasil, esse número fica em 22%.

O nível de ocupação das indústrias também foi outro ponto abordado. Atualmente, as montadoras que estão no Brasil utilizam cerca de 60% de sua capacidade de produção, enquanto o México chega a 88%.

Esse foram exemplos apontados pela consultoria para identificar a falta de competitividade do Brasil em relação ao México.

"Quando se olha por grandes temas, materiais, custo de produção, logística, mão de obra etc, nós perdemos em todas", disse Moraes.

O presidente da entidade defendeu a reforma da Previdência como o principal passo do governo para fazer a economia melhorar. Uma reforma tributária e medidas mais simples também foram citadas por Moraes como fatores importantes.

"Tem outras microrreformas que defendemos que são pequenas simplificações e ajustes que também vão facilitar os negócios, como a liberação de importações e exportações."

A discussão de um mercado mais competitivo surge pouco mais de um mês após o acordo de livre comércio no setor entre Brasil e México atingir um novo patamar.

Em março deste ano, automóveis leves e autopeças passaram a poder circular entre os países sem pagar tarifas. O acordo teve início em 2002 e foi renovado pela última vez em 2015.

O setor chegou a pedir ao governo para que voltasse atrás e não chancelasse o acordo. A pressão, contudo, não funcionou.

Carros no pátio de uma montadora em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. - Fabio Braga/Folhapress

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.