Câmara aprova projeto que retira recursos de educação e saúde para construção de gasodutos

Parte dos deputados criticou a mudança da destinação dos valores

Angela Boldrini
Brasília

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (26) projeto de lei que retira recursos do pré-sal que iriam para o fundo social, de educação e saúde, e os destina para a construção de gasodutos. 

Segundo técnicos da Casa, a expectativa é de impacto de R$ 16 bilhões ao longo de dez anos. Alterada, a proposta terá que voltar ao Senado.

Trecho de gasoduto em Itatiba (SP) - Luiz Carlos Murauskas - 3.mai.01/Folhapress

Parte dos deputados criticou a mudança da destinação dos valores. "O financiamento tem que existir, e ele pode existir por meio dos bancos públicos que podem operar com juros diferenciados, com prazos diferenciados, porque o financiamento de um gasoduto é importante, mas não retirando recursos da saúde e da educação sem nenhuma garantia de retorno", afirmou Joaquim Passarinho (PSD-PA).

Depois de polêmica, foi aprovada emenda que visa mitigar a perda de recursos para educação.

Hoje, os recursos da exploração do pré-sal são destinados integralmente ao fundo social. Com a proposta aprovada, 20% passarão a ser destinados para o Brasduto. Além disso, 30% dos recursos começarão a ser destinados para estados e municípios.  Segundo a emenda apresentada, porém, esses recursos terão que ser destinados para as áreas de saúde e educação. Além disso, outros 20% serão repassados para os mesmos setores da União. 

​Assim, o fundo social deverá receber 30% dos royalties do petróleo.

Além da mudança na destinação dos recursos do pré-sal, o projeto inclui ainda o perdão da dívida bilionária da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais). 

O projeto é um pleito de governadores, que estão em negociação com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para apoiar a reforma da Previdência

O texto havia sido aprovado no final de 2018 no Senado. Ele voltou esta semana à pauta da Casa na reta final da votação do relatório da reforma na comissão especial. 
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.