Funcionários dos Correios suspendem greve

Acordo atual foi prorrogado até o julgamento do dissídio coletivo, que deve ocorrer em 2 de outubro

São Paulo

Os funcionários dos Correios decidiram nesta terça-feira (17) suspender a greve decretada há uma semana, informou a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos Similares).

Os trabalhadores da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) haviam iniciado a paralisação para buscar uma negociação sobre o reajuste salarial de 3,43% e sobre a manutenção de benefícios –como ter os pais como dependentes no plano de saúde, continuidade de percentual de férias em 70% e vales alimentação e refeição.

sembleia dos trabalhadores dos Correios no CMTC Clube, na capital paulista, na terça-feira (10)
Assembleia dos trabalhadores dos Correios no CMTC Clube, na capital paulista, na terça-feira (10) - Dviulgação

A Fentect e a Findect (federações dos trabalhadores do setor) participaram na quinta-feira (12) de uma audiência de conciliação convocada pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) após a ECT ingressar com o pedido de dissídio coletivo de greve diante da mobilização da categoria em todo o país. Esse dissídio é um mecanismo adotado quando não há um acordo entre trabalhadores (representados por sindicatos) e empregadores.

Segundo nota da Fentect, com o impasse, o ministro Mauricio Delgado, do TST, apresentou uma proposta de prorrogação do atual acordo coletivo até o julgamento do dissídio, que deve ocorrer em 2 de outubro.

No último dia 4 de setembro, os Correios rejeitaram uma mediação feita pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) com funcionários. Pela primeira vez uma empresa fechou as portas, de forma unilateral, em negociação dirigida pela corte, que é responsável por arbitrar impasses envolvendo categorias de empresas com abrangência nacional.

A categoria também é contra a privatização dos Correios, medida defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Segundo ele, a iniciativa melhoraria e baratearia os serviços prestados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.