Governo instala gabinete para acompanhar oscilação do petróleo

Em entrevista, Bolsonaro disse que Petrobras irá segurar o reajuste no preço da gasolina e no diesel

Gustavo Uribe
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro criou um gabinete ministerial para acompanhar as oscilações internacionais no preço do barril de petróleo.

A estrutura funcionará no Ministério de Minas e Energia e, segundo o porta-voz da Presidência da República, discutirá planos de ação para evitar que a turbulência mundial eleve o preço dos combustíveis no país.

"O governo federal instalou um gabinete de acompanhamento da situação para manter o presidente informado e para a discussão de planos de ação para conter eventuais consequências e os seus reflexos que possam impactar o nosso país", disse o general Otávio Rêgo Barros.

0
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento da ID Estudantil, no Palácio do Planalto, em Brasília - Pedro Ladeira - 6.nov.19/Folhapress

Em entrevista, Bolsonaro disse na segunda-feira (16) que a Petrobras irá segurar o reajuste no preço da gasolina e no diesel.

"Eu conversei agora pouco com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele me disse que, como é algo atípico e a principio tem um fim para acabar, ele não deve mexer no preço do combustível", afirmou.

O presidente ressaltou que a tendência natural é de que o preço nas refinarias e bombas acompanhe as oscilações internacionais, mas que se trata de uma crise inesperada.

"A tendência natural é você seguir o preço internacional para refinaria e para bomba. O governo federal já zerou seu imposto, a Cide, e não podemos exigir nada dos governadores no tocante a ICMS", ressaltou.

A avaliação na Petrobras é que o mercado ainda está muito volátil e que é preciso entender para onde vão as cotações internacionais, que subiram 13% na segunda-feira (16)

Foi a maior alta diária desde o fim de 2008, em resposta a corte recorde na produção mundial após ataques a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, que tirou do mercado uma capacidade equivalente a 5,7 milhões de barris por dia, ou 5% da oferta global.

A política de preços da companhia prevê acompanhar as cotações internacionais, com base em um conceito conhecido como paridade de importação —que simula quanto custaria para trazer combustíveis ao mercado interno.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.