Risco-país do Brasil vai ao menor patamar desde maio de 2013

Indicador, que é termômetro da confiança dos investidores, sinaliza otimismo com economia brasileira

Júlia Moura Isabela Bolzani
São Paulo

O cenário local de queda de juros e aprovação da reforma da Previdência, bem como a trégua na guerra comercial entre Estados Unidos e China, levou o risco-país do Brasil ao patamar mínimo em mais de seis anos nesta terça-feira (29). 

O risco-país funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores em relação a economias, especialmente as emergentes. 

Hoje ele é medido principalmente pelo desempenho do CDS (Credit Default Swap). Se o indicador sobe, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país, se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas.

O que é o risco-país

  1. Funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores globais em relação a economias, especialmente as emergentes

  2. O “termômetro” mais usado hoje é o CDS (Credit Default Swap), instrumento financeiro que indica o risco de calote de um país

  3. Se o indicador sobe muito, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país e desconfiam que ele não vai saldar os pagamentos regulares de sua dívida

  4. Se o indicador cair, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas

  5. Indiretamente, o risco-país também aponta expectativas em relação aos demais indicadores da economia, como o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto)

 Gráfico das recentes flutuações dos índices de mercado no pregão da Bolsa de Valores de Sao Paulo
Risco-país do Brasil vai ao menor valor desde maio de 2013 - Diego Padgurschi /Folhapress

Após 15 quedas consecutivas, o CDS de cinco anos do Brasil foi a 117 pontos, menor patamar desde 13 de maio de 2013. Esse período antecedeu os protestos de 2013, que marcaram o início da turbulência política no Brasil e também o ciclo econômico que colocou o país em profunda recessão, da qual saiu com dificuldades.

Além disso, naquele momento, o Brasil tinha o selo de bom pagador concedido pelas agências de classificação de risco S&P, Fitch e Moody’s, outra chancela acompanhada por investidores internacionais ao decidir aplicações em países emergentes, considerados mais arriscados.

O CDS começou a cair de forma mais vigorosa após o Senado concluir, no último dia 23, a tramitação da reforma da Previdência no Congresso. A medida é vista como crucial para estabilizar a dívida pública, o que diminui o risco de um calote no futuro.

Mas o CDS já vinha em trajetória de queda desde o começo do ano, acompanhando a euforia do mercado financeiro que se refletia em outros indicadores. Entre eles estão a alta da Bolsa brasileira para máximas históricas e a queda nos contratos de juros futuros (que sinalizam a remuneração exigida para emprestar ao governo e despencaram a patamares inimagináveis no Brasil).

Nesta quarta-feira (30), o BC (Banco Central) anuncia a nova taxa de juros do país, que deve cair para 5% ao ano, segundo a projeção de consenso dos economistas.

O juro mais baixo também reduz a pressão sobre a dívida e ajuda a reduzir o risco de calote. A Selic saiu de 14,25%, em 2016, para os atuais 5,5%.

“Com a queda de juros, a preocupação com a questão fiscal diminuiu muito. No Brasil, a queda da Selic reduz a evolução da dívida, o que melhora a relação dívida-PIB e contribui para um PIB maior”, afirma José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator.

A euforia local, ainda que seja acompanha de sinalizações de reformas consideradas cruciais por economistas e investidores, tampouco é isolada do mundo.

Assim como no Brasil, os juros estão em queda na maioria dos países —sejam eles emergentes ou ricos, como os Estados Unidos. Por consequência, o risco-país também cede nesses lugares.

A diferença é que para países emergentes a medida de risco pesa mais na decisão de investidores institucionais na hora de movimentar recursos.

“Tirando a Argentina, não tem nenhum emergente quebrado, sem dólar ou sem capacidade de comprar dólar. De maneira geral, não há risco fiscal nos emergentes, há apenas déficit e o risco dos governos darem calote é muito baixo”, diz o economista do Fator.

 

Para o analista da Ativa Investimentos Ilan Arbetman, porém, a situação brasileira é relativamente melhor, especialmente quando comparada com a da Argentina, o que reforça o viés positivo.

“Temos muitos dados aquém do esperado e ainda não chegamos no patamar de retomada econômica que gostaríamos. Mas o mercado internacional consegue enxergar um potencial no Brasil que nós ainda não conseguimos ver e isso é bastante positivo para nós”, diz.

Indicadores que medem a atração de estrangeiros para o Brasil mostram que o otimismo do CDS ainda não se traduz em entrada de recursos: até a semana passada o fluxo cambial estava negativo em US$ 19 bilhões (R$ 75,86 bilhões), enquanto investidores estrangeiros sacaram R$ 30 bilhões da Bolsa brasileira.

Lima Gonçalves acrescenta que a melhora no CDS não significa que o país terá sua nota de bom pagador elevada em breve, pois os próprios analistas das agências têm dito que a melhor no risco-país é insuficiente para sustentar uma alta no rating.

A melhora dependente principalmente da economia, que ainda deve crescer menos de 1% neste ano, abaixo dos 1,1% registrados em 2017 e em 2018. Para 2020, as estimativas rondam os 2%, patamar considerado pouco robusto.

Economistas estimam que um CDS baixo é instrumento para atrair investimentos, o que elevaria a taxa de crescimento. Nos grandes bancos, há quem aposte na melhora da nota do Brasil em um intervalo de 6 a 12 meses. O selo de bom pagador voltaria em quatro ou cinco anos.

O Brasil perdeu o grau de investimento entre 2015 e 2016, à medida em que a recessão se agravava e a dívida pública crescia apenas sete anos depois de conquistá-lo.

Dólar volta a fechar acima de R$ 4 e Bolsa perde 108 mil pontos

Nesta terça (29), o dólar subiu 0,25% e fechou a R$ 4,003 após perder o patamar na véspera e fechar em R$ 3,99 pela primeira vez desde 15 de agosto. A Bolsa brasileira caiu 0,6%, a 107.556 pontos. Na véspera, o Ibovespa renovou recorde a 108 mil pontos.

O movimento reflete realização de lucros e cautela de investidores antes das decisões sobre as taxas de juros brasileira e americana, ambas divulgadas na quarta (30). No exterior, o viés foi negativo, com dúvidas do mercado quanto ao acordo comercial entre China e Estados Unidos e quanto a um possível corte de juros do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA).

Segundo a Reuters, a ‘fase um’ do acordo provisório entre chineses e americanos pode não ser concluída a tempo para assinatura na cúpula da Apec (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico), que vai ocorrer no Chile entre 16 e 17 de novembro. Esse era o prazo esperado pelo mercado.

Quanto ao Fed, apesar de a grande maioria dos investidores apostar em um corte de 0,25 ponto percentual no juro americano, que atualmente está entre 1,75% e 2%, o mercado age de maneira cautelosa.

Há ainda um receio sobre balanços de empresas e, após recorde alcançado na véspera, os índices da Bolsa de Nova York fecharam em queda repetindo a Bolsa brasileira.

No ano, o Ibovespa acumula uma alta de 23% no ano. O índice chegou aos 100 mil pontos pela primeira vez 19 em junho, com o otimismo de investidores domésticos com a reforma da Previdência.

A Bolsa entrou em uma trajetória de alta desde a vitória do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), em outubro do ano passado, valorização que se acelerou desde a posse, em 1º de janeiro.

O viés altista acompanha o mercado acionário americano. S&P 500, Dow Jones e Nasdaq também bateram suas máximas históricas este ano, com ciclos de cortes de juros e bons resultados das companhias americanas mesmo em meio à guerra comercial.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.