Vamos para reforma tributária e administrativa, diz Mourão após Previdência

Consideradas prioritárias, governo ainda não enviou para o Congresso suas propostas nas duas áreas

Angela Boldrini
Brasília

O presidente interino, Hamilton Mourão, comemorou nesta quarta-feira (23) a aprovação da reforma da Previdência em segundo turno no Senado e disse que agora o governo deve focar nas reformas administrativa e tributária.

“Agora vamos para os outros objetivos, reforma tributária e administrativa, o mundo continua girando”, afirmou ao chegar ao gabinete da vice-presidência, no Palácio do Planalto.

O governo ainda não enviou para o Congresso suas propostas nas duas áreas, consideradas prioritárias. Na Câmara, um projeto de reforma tributária de iniciativa dos deputados avança em comissão especial sem a articulação do governo.

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do vice presidente Hamilton Mourão durante cerimônia alusiva à alteração da Lei Geral de Telecomunicações - Pedro Ladeira - 8.out.19/Folhapress

O ministro Paulo Guedes (Economia) vem afirmando que a proposta de reforma tributária está em fase final. A demora para o envio vem gerando insatisfação em deputados que convergem com o governo na área econômica.

Mourão disse considerar o resultado da votação desta terça-feira (22) excelente. “Vitória com 60 votos a favor, então, aquilo que era o nosso objetivo número um para buscar o equilíbrio fiscal, que era a reforma do sistema previdenciário, agora vai nos dar uma previsibilidade pelos próximos 10 anos em relação a esses gastos”, disse.

O Senado ainda tem que concluir nesta quarta a apreciação dos destaques ao texto da reforma.

O texto-base foi aprovado na terça, mas após impasse o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu adiar o final da votação das emendas à proposta de mudança nas regras da aposentadoria.

Depois da votação, Alcolumbre deve assumir a presidência interinamente, durante viagem de Mourão ao Peru de quarta até sexta (25) à noite.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.