Bolsonaro diz que reforma administrativa será adiada para próxima semana

É a segunda vez que o presidente posterga o envio do texto ao Congresso

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (11) que a reforma administrativa deve ser adiada novamente para a próxima semana.

"Não, não, deve ser adiada para a semana que vem a questão da reforma administrativa", afirmou ao chegar ao Palácio da Alvorada. 

Esta é a segunda vez que o presidente posterga o envio do texto ao Congresso. Na semana passada, ele disse que isso ocorreria nesta terça (12) para que o governo diminuísse as "arestas" do projeto. 

O presidente Jair Bolsonaro; esta é a segunda vez que o presidente posterga o envio do texto ao Congresso
O presidente Jair Bolsonaro; esta é a segunda vez que o presidente posterga o envio do texto ao Congresso - Agência Brasil

A proposta tem entre entre seus pontos por fim à estabilidade do servidor público que ingressar no futuro na carreira. 

Na semana passada, o ministro Paulo Guedes (Economia) indicou que a proposta de reforma administrativa deve prever diferentes períodos para que um servidor público consiga a estabilidade. O prazo variaria de acordo com a carreira.

A medida é o próximo passo da gestão Bolsonaro no plano para controlar as despesas públicas, a proposta visa reestruturar as regras para o funcionalismo público, segundo maior gasto do Orçamento federal.

Na terça passada (5), Bolsonaro entregou ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), três propostas de emenda à Constituição: a PEC do Pacto Federativo (para dar maior flexibilidade ao Orçamento e aumentar repasses de recursos a estados e municípios); a PEC da Emergência Fiscal (que institui gatilhos para conter gastos públicos em caso de crise orçamentária de União, estados e municípios) e a dos Fundos Públicos (que revisa 281 fundos).

O conjunto busca reduzir o tamanho do Estado e dá início à implementação do plano defendido por Guedes de a gestão das finanças públicas ter “mais Brasil, menos Brasília”.

A proposta é de que um quarto de toda a economia obtida em dois anos com cortes emergenciais de despesas seja destinado a emendas parlamentares. O montante, estimado em R$ 7 bilhões, tem entre os objetivos facilitar a aprovação do texto pelo Congresso. A liberação de recursos é uma das principais demandas de congressistas em negociações com o governo. 

As emendas são verbas do Orçamento executadas não por decisão do governo, mas sim de parlamentares e bancadas para projetos em suas bases eleitorais. No ano passado, foram autorizados R$ 11,3 bilhões em emendas, segundo dados do Portal da Transparência do governo.

Nesta terça (12), o Congresso promulgará a PEC da reforma da Previdência, principal feito do governo Bolsonaro na área econômica. Questionado se iria à cerimônia, o presidente disse não ter conhecimento ainda. 

"Cheguei da Paraíba agora pouco, não estou sabendo de nada. Vejo logo mais", disse ao entrar em casa. 

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.