Por Bolsonaro, Fiesp se aproxima de militares

Para alguns associados, movimento de militarização põe em segundo plano agenda do setor quando ela é mais necessária

São Paulo

A crescente aproximação da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) com as Forças Armadas tem deixado alguns dos mais importantes industriais paulistas descontentes.

A principal queixa decorre do fato de que, enquanto o setor atravessa um crise profunda —até novembro, por exemplo, o estado de São Paulo registrou o fechamento de 6.634 indústrias—, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, estaria deixando de lado a agenda do setor para se dedicar a acenos para agradar ao governo de Jair Bolsonaro e se aproximar dele. 

Bolsonaro e Skaf brindam em jantar na China, em outubro passado - Isac Nóbrega/PR

Um dos principais motivos de discórdia no momento é o projeto do colégio militar na capital paulista. Pessoas envolvidas estimam que o seu custo ultrapasse os R$ 100 mil e que sua maior função foi abrir portas com Bolsonaro.

A intermediação em favor do colégio teria sido feita pelo general Luiz Eduardo Ramos, atual ministro-chefe da Secretaria de Governo. Em março do ano passado, o general se reuniu com Skaf para tratar do tema e da viabilidade do apoio da Fiesp no projeto arquitetônico do colégio.

Em outra frente, o presidente da Fiesp tem participado da tentativa de viabilizar a criação do novo partido de Bolsonaro, a Aliança pelo Brasil.

A coluna Mônica Bergamo noticiou que ele é um dos principais negociadores para que o apresentador José Luis Datena seja o candidato a prefeito pela legenda. 

Skaf também reforçou a indicação de André Sturm para o cargo de secretário do Audiovisual para Bolsonaro.

Pessoas próxima contam que as boas relações de Skaf com as Forças Armadas não são de agora, mas que desde a época do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, há um aumento da presença de militares da reserva entre os assessores diretos de Skaf.

Atualmente, são quatro em postos estratégicos: o general de divisão Adalmir Domingos, ex-comandante da 2ª Região Militar, é coordenador de conselhos e departamentos da entidade; o general Antônio Esper é diretor-executivo de gestão; o tenente-brigadeiro do ar Aprígio Azevedo é diretor-executivo de projetos; o coronel Carlos Demeterco é gerente-executivo de gestão. 

O mais antigo é o brigadeiro Aprígio. Neste ano, Skaf contratou o coronel Demeterco. Esper e Demeterco estavam presentes na reunião com Skaf e o general Ramos sobre o colégio militar.

No processo de aproximação, Skaf tem concedido a militares a comenda da ordem do mérito industrial São Paulo no grau Grão Cruz. Trata-se da maior honraria da entidade, geralmente destinada a reis, príncipes, presidentes e primeiros-ministros. 

Em 2018, pela primeira vez, foi agraciado o comandante do Exército brasileiro. Na época, o posto era ocupado por Eduardo Villas Bôas. 

Neste ano, além do presidente Bolsonaro, o vice, general Hamilton Mourão, também recebeu a medalha. 

Os industriais reclamam que Skaf leva à frente essas iniciativas sem consultar diretores da Fiesp. São recorrentes as queixas de que ele está usando a estrutura da entidade para uma agenda própria.

Skaf não esconde as ambições políticas e foi candidato ao governo do estado nas três últimas eleições.
Em 2010 e 2014, quando Geraldo Alckmin foi eleito, ele terminou o pleito em segundo lugar. Em 2018, em terceiro. 

Pessoas próximas dizem que a aproximação com Bolsonaro seria um novo caminho para, enfim, vencer a eleição ao governo de São Paulo. 

Skaf não é próximo do governador João Doria (PSDB), seu rival nas eleições de 2018. 

Um dos industriais chegou a dizer que Doria teria como objetivo derrubar Skaf do comando da Fiesp. 

Ele está no cargo de presidente da federação de São Paulo desde 2004.

Procurado, João Doria não quis comentar.

A Fiesp e Paulo Skaf afirmam que “têm o maior respeito e admiração pelas Forças Armadas, instituições que trabalham com seriedade e afinco pelos interesses do Brasil e são reconhecidas por isso”.

“Temos orgulho dessa relação, construída ao longo de anos. Iremos mantê-la e fortalecê-la. Assim como manteremos o apoio ao governo Bolsonaro, que tem alcançado importantes resultados, ao colocar em pauta uma agenda de reformas, modernização, recuperação do emprego e desenvolvimento que é a mesma agenda defendida por esta casa”, afirmaram.

A entidade destacou ainda que “volta e meia, três ou quatro personagens anônimos tentam semear discórdia, movidos por interesses impenetráveis. São anônimos apenas para fora da casa. Dentro da Fiesp, todos sabem de quem se trata”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.