Saque extra do FGTS atrasa liberação do seguro-desemprego para trabalhador demitido

Governo diz que não era possível prever falha e promete resolver até o dia 22

São Paulo

O saque imediato de até R$ 500 –ou, em alguns casos, de até R$ 998– das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) atrasou a liberação do seguro-desemprego de trabalhadores em todo o país.

Agora, o governo promete alterar o sistema de análise e diz que vai resolver o problema até quarta-feira (22). Os pedidos feito a partir de segunda (20) não devem ser afetados.

A Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia ainda não sabe quantos trabalhadores tiveram o pedido negado por esse motivo e diz que não era possível prever que o problema poderia acontecer, " visto que trata-se de liberação extraordinária, ou seja, fora das rotinas de processamento habituais."

A falha afetou todos os demitidos sem justa causa pois, durante o cruzamento de dados realizado para a liberação do seguro, a movimentação da conta do FGTS faz com que o sistema barre o pagamento. 

É possível consultar o andamento da solicitação do seguro-desemprego no site www.gov.br ou no aplicativo da Carteira de Trabalho Digital. 

O governo diz que os relatos de falhas começaram na segunda quinzena de dezembro. 

A secretaria também não explicou porque o conflito de informações só começou a aparecer quase três meses depois do início das liberações de valores. "Antes do fim  de 2019 não houve manifestação dos trabalhadores", diz a secretaria, em nota.

Nas redes sociais, trabalhadores afetados pelo problema relataram ter sido informados de que levaria de 40 a 60 dias para o seguro ser liberado.

A Secretaria de Previdência e Trabalho afirma que o recurso administrativo é analisado, em média, no prazo de 30 dias.

A falha no pagamento do seguro-desemprego vem na esteira de outros problemas enfrentados pelo governo Bolsonaro na gestão de benefícios sociais, como o colapso na fila de espera do INSS. 

A negativa do pedido resultava na necessidade de apresentação de um recurso administrativo. Quem não apresentou essa medida, não precisa mais pedir, pois, segundo o governo, a liberação será automática.

Em média, a Secretaria de Trabalho recebe 520 mil pedidos do benefício mensalmente. 

Nesta quinta-feira (16), a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informou que todos os trabalhadores que tiveram o acesso ao benefício dificultado terão os pedidos reprocessados e liberado até a próxima quarta.

Quando o trabalhador pede o seguro-desemprego, o sistema deveria informar que o registro mais recente em seu extrato foi o da demissão sem justa causa, que dá o direito ao benefício temporário.

Com o saque do FGTS, em muitos casos a informação que aparecia era a de retirada, o que o sistema entendia como pendência, barrando a liberação.

Como a Folha mostrou em novembro, a Caixa fazia o saque de maneira automática, mesmo que o trabalhador não pedisse a retirada do dinheiro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.