Descrição de chapéu Coronavírus

Manter a população isolada é consenso entre economistas

Alternativa, dizem, seria estratégia sul-coreana, mas Brasil não tem tecnologia

São Paulo

Tema de discórdia entre políticos e empresários, a necessidade de isolamento da população na atual fase de disseminação da Covid-19 no Brasil parece ser consensual entre economistas, que defendem uma ação mais rápida, coordenada e menos ruidosa do governo.

“Precisamos ouvir os epidemiologistas e tentar segurar essa primeira onda de propagação enquanto ganhamos tempo”, diz Rudi Rocha, professor da FGV-EAESP e diretor do Ieps (Instituto para o Estudo de Políticas de Saúde).

“O que temos de mais precioso, agora, é o tempo.”

A alternativa ao confinamento total (ou “lockdown” em inglês) seria adotar a estratégia bem-sucedida da Coreia do Sul, que conseguiu conter, rapidamente, a propagação do vírus, testando massivamente sua população e isolando apenas infectados e grupos vulneráveis.

Um exemplo em pequena escala das medidas implementadas no país asiático foi transposto ao Brasil pela Samsung, multinacional sul-coreana.

Tão logo a epidemia deu sinais de ganhar fôlego aqui, a empresa de tecnologia adotou medidas como manter “enfermeiros transitando entre os andares para a verificação de temperatura e o esclarecimento de dúvidas”, segundo assessoria de comunicação da Samsung informou à Folha.

Logo em seguida, a empresa deu um passo além e instalou uma câmera infravermelha térmica, que monitora a temperatura de todos os funcionários e visitantes que chegam às suas dependências.

“Dessa forma, pessoas com febre de 37,5ºC ou superior são orientadas por uma enfermeira que está presente no local e encaminhadas ao ambulatório para atendimento”, disse a Samsung em nota à reportagem.

O problema, segundo Tony Volpon, economista-chefe do UBS e ex-diretor do Banco Central, é que o Brasil não tem a tecnologia para implementar esse tipo de ação, em massa, imediatamente. Resta, portanto, ao país seguir o “lockdown” no estilo chinês, que também se mostrou eficaz no controle da epidemia, apesar de seu custo mais adverso para a economia.

“As duas estratégias têm pontos positivos e negativos. O ‘lockdown’ tem a vantagem de ter um efeito muito rápido e implementação mais fácil”, diz.

“Seu lado negativo é o custo econômico enorme do isolamento social, que recai mais fortemente sobre a população vulnerável, como os informais que sobrevivem de transação em transação e ficam sem renda ao precisar pará-las”, diz.

Segundo ele, para limitar esses impactos adversos, é preciso que o Brasil faça “uma parada súbita, mas temporária”.

Octavio de Barros, presidente do centro de pesquisa República do Amanhã e ex-economista-chefe do Bradesco e do BBVA, concorda.

“Para mim, não há dúvidas de que o confinamento é necessário. O que o Brasil precisa é focar o planejamento do tempo de saída do isolamento, o mais rápido possível.”

Ele destaca que isso não significa ignorar os efeitos negativos da pandemia, que, segundo ele, farão a crise global de 2008 parecer “café com leite”, mas agir para diminuí-los.

Acostumados a fazer suas análises e traçar seus cenários com base em evidências, os economistas ressaltam que não cabe discutir com os especialistas da área de saúde.

“Os médicos e os dados disponíveis mostram que a doença é séria, requer uma taxa alta de hospitalização e gera mortalidade elevada em certos grupos de risco”, diz Rocha.

Ele ressalta que o conjunto de informações e evidências sobre o coronavírus ainda é pequeno, dada a novidade da doença, mas tem crescido rapidamente.

O volume de trabalhos, de todas as áreas, que citavam a palavra coronavírus saltou de 7.620, em 2018, para 8.730, em 2019, e 15.100 em 2020, até agora, no Google Acadêmico.

Em um recorte mais específico, a revista britânica The Economist mostrou que o número de pesquisas apenas do segmento de saúde mencionando o vírus aumentou de 755, em 2019, para 1.245 nos primeiros 80 dias deste ano, segundo a PubMed, ferramenta de busca da área biomédica.

“A produção de conhecimento sobre o tema tem sido impressionante e, em breve, poderemos tomar ações mais bem embasadas”, diz Rocha.

Enquanto isso, não ocorre, é natural que empresários e a sociedade como um todo estejam ansiosos, segundo Barros.

“Afinal, essa epidemia vai alterar totalmente a ordem mundial”, diz o economista.O papel do governo neste momento, segundo Barros, Volpon e Rocha, deveria ser o de reduzir as incertezas e coordenar as ações que permitam ao país sair, rapidamente, da fase mais restrita da quarentena.

“O que advogo é que o país comece como a China e termine, o mais rapidamente, possível como a Coreia do Sul”, afirma Volpon.

Para isso, os três economistas afirmam que é fundamental que o governo mostre à sociedade que está tomando as medidas necessárias para a volta gradual do país à normalidade e para a proteção de indivíduos e empresas mais vulneráveis.

A demora no anúncio de ações específicas – como medidas efetivas para garantir renda aos informais e crédito aos pequenos empresários –, tem, no entanto, causado preocupação.

“O debate deveria ser pragmático, mas está ficando cada vez mais politizado. Não vejo articulação entre as pastas de Saúde, Economia, governos estaduais e o federal”, diz Volpon.

Rocha acrescenta que, para piorar, as contradições entre o que preconiza o Ministério da Saúde e o que tem dito o presidente Jair Bolsonaro aumentam as incertezas.

“Um dos elementos cruciais para que a economia saia da crise que ocorrerá agora e entre em um ciclo virtuoso de recuperação é a coordenação de expectativas”.

“Isso só acontecerá se as pessoas confiarem no governo e acreditarem, desde já, que o que estamos passando será transitório”, afirma o pesquisador.

Mas, segundo ele, o país caminha na direção contrária a isso.

“A coordenação de expectativas ainda não tinha acontecido de forma satisfatória com esse governo e, agora, isso tem se tornado mais crítico”.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.