Descrição de chapéu Coronavírus

Empresas já negociam individualmente corte de jornada e suspensão de contratos

Acordo individual está previsto na MP 927; ministro do STF negou liminar para suspender efeito

São Paulo

O artigo que permitia a suspensão de contratos de trabalho sem o pagamento de salário foi derrubado pelo governo, mas a manutenção dos demais pontos ampliou o poder das empresas nas negociações durante o período de calamidade pública.

O direito ao fechamento de acordos individuais está mantido na MP 927 e foi confirmado pelo ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), relator de ação que buscava declarar a inconstitucionalidade da medida provisória.

Ele negou pedido de liminar para suspender os efeitos da norma –as MPs começam a valer na data da publicação. A ação foi apresentada pelo PDT e pedia a derrubada integral da medida.

Para Marco Aurélio, o artigo que prevê a celebração de acordo individual não viola a Constituição. O relator também considerou válidos os outros pontos da medida provisória. A decisão de Marco Aurélio ainda será submetida ao plenário.

Além do artigo 18 da MP, que permita a suspensão dos contratos sem o pagamento de salários e acabou revogado pelo presidente Jair Bolsonaro, o artigo 2º, que trata dos acordos, também foi alvo de críticas de sindicatos e teve sua constitucionalidade questionada.

Esse trecho específico da medida provisória 927 diz que “empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição.”

Para o ministro Marco Aurélio, desde que a norma constituição é necessário conservar a liberdade dos empregadores em momentos como o atual.

“A liberdade do prestador dos serviços, especialmente em época de crise, quando a fonte do próprio sustento sofre risco, há de ser preservada”, diz, na decisão.

Na avaliação do professor de direito do trabalho da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas) Ricardo Calcini, a medida provisória inverteu a lógica da regra formal. Até então, a legislação definia que nenhum negociação individual poderia se sobrepor a acordos coletivos ou à CLT.

“Agora, eu, junto ao meu empregador, com o propósito de manter minha relação de emprego, posso firmar um acordo individual”, diz.

Calcini considera importante destacar que a necessidade de o acordo prever a manutenção do vínculo de emprego, pois esse é o ponto central do artigo da MP.

Um dos fundamentos da decisão do ministro Marco Aurélio, avalia o professor, é o artigo 8º da CLT, segundo o qual o interesse coletivo se sobrepõe ao individual.

“Nesse sentido, manter postos de trabalho é um interesse coletivo”, diz Calcini. Para ele, as empresas que já fecharam acordos individuais podem ter essas negociações contestadas.

Isso porque, apesar de a reforma trabalhista já ter dado prevalência aos acordos, os casos de redução de salário ou suspensão de contrato ainda demandariam negociação coletiva.

Domingos Fortunato, sócio da área trabalhista do Mattos Filho, diz que, de fato, a Constituição Federal prevê a necessidade dessas medidas serem definida por negociação coletiva.

Porém, a situação de excepcionalidade do contexto atual também deverá ser considerada.

“O espírito da MP 927 é esse, dar rapidez para as decisões. O acordo coletivo demanda uma assembleia, tem um processo mais logo envolvido. Temos situações em que os sindicatos não estão nem respondendo, porque estão fechados mesmo”, afirma.

Na avaliação dos especialistas, a decisão do ministro Marco Aurélio pode ser um indicativo de que o entendimento judicial poderá considerar as condições atuais das empresas como de exceção. Sem produção, sob um decreto de calamidade pública, certas regras poderiam ser interpretadas com mais maleabilidade.

Na última semana, diversos sindicatos fizem ajustes aos acordos e convenções coletivas na tentativa de conter eventuais demissões.

Diante da quase paralisia da economia devido à pandemia, comércio, bares, restaurantes, transporte rodoviário e aéreo e diversos setores industriais vêm pressionando o governo Bolsonado a definir medidas de socorro financeiro, como a postergação no pagamento de impostos e linhas de crédito para a financiar a folha de salários.

Até agora, pequenas e médias empresas (aquelas que faturam, por ano, de R$ 360 mil e R$ 10 milhões) conseguiram a liberação de R$ 40 bilhões para financiamento de salários.

Uma nova medida provisória também estaria em fase final de elaboração e deverá prever a possibilidade de suspender o contrato de trabalho em até 70% –quando maior a renda, maior o corte.

Veja o que o governo já mudou

FGTS

  • As empresas poderão optar pelo adiamento do recolhimento do FGTS
  • Isso valerá para os valores que seriam recolhidos nos meses de abril, maio e junho
  • As parcelas deverão ser pagas em seis parcelas, a partir de julho

Férias coletivas

  • A empresa pode comunicar os funcionários com antecedência de 48 horas e não há necessidade de avisar sindicato ou governo

Férias individuais

  • A empresa pode antecipar férias não vencidas ainda
  • O pagamento será feito no mês seguinte e o ⅓ de férias poderá ser pago somente no fim do ano

Feriados

  • A empresa pode antecipar as folgas de todos os feriados até o fim do ano, com exceção dos religiosos
  • O funcionário precisa ser avisado e os dias sem trabalho vão para o banco de horas

Redução de salários

  • Nova medida deve permitir uma escala de reduções entre 25% e 70%

Veja o que as empresas já propuseram

Transporte rodoviário

  • Suspensão de contratos por quatro meses sem remuneração
  • Redução de salários e jornada de trabalho em 50%

Montadoras de veículos

  • Férias coletivas de até 30 dias

Empresas aéreas

  • Pilotos e comissários aprovam propostas que reduzem até 80% de seus salários

Indústria

  • Férias coletivas
  • Está em negociação o que será feito ao fim dos período de férias

Petróleo e gás

  • Parcelamento de salários no conselho de administração

Bares e restaurantes

  • Férias coletivas
  • Suspensão de contrato com pagamento de 50% do piso da categoria
  • Suspensão de contrato com pagamento de 50% dos salários

Comércio

  • Férias coletivas
  • Antecipação de férias individuais
Erramos: o texto foi alterado

Versão anterior desta reportagem afirmava que micro empresas poderiam acessar linha de crédito para o financiamento de salários. A medida, porém, valerá somente para pequenas e médias empresas. O texto foi corrigido.

 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.