Macron reforça área econômica para o pós-pandemia

Presidente da França reorganiza o gabinete para combater as consequências sociais e econômicas da pandemia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Michel Rose
Paris | Reuters

A França está criando três ministérios reforçados para liderar sua recuperação de tumultos por coronavírus, enquanto Emmanuel Macron tenta reformular sua presidência menos de dois anos antes de uma possível candidatura à reeleição.

Em uma reorganização do gabinete dias após os eleitores punirem Macron e seu partido nas eleições locais, o presidente e seu novo primeiro-ministro, Jean Castex, estão concentrando-se em combater as consequências sociais e econômicas da pandemia e o meio ambiente.

Macron, 42 anos, assumiu o poder em 2017 prometendo cortar impostos corporativos e facilitar a regulamentação para impulsionar o crescimento e criar empregos, protegendo os mais vulneráveis.
Mas a pior depressão em décadas reverteu alguns ganhos duros e deixou Macron com 21 meses para convencer os eleitores de que suas reformas os deixarão melhor.

O presidente francês, Emmanuel Macron - Francois Guillot/AFP

Na véspera da remodelação, Macron disse que suas promessas de campanha de 2017 permanecem centrais para sua formulação de políticas.
Mas ele disse que eles devem "se adaptar às revoltas internacionais e à crise pela qual estamos vivendo: um novo caminho deve ser traçado".

Quem são os principais ministros do novo governo de Macron

Os rivais políticos denunciaram a remodelação como uma vitrine que não daria o "novo caminho" que Macron promete.

Bruno Le Maire, que gastou muito para manter as principais empresas em movimento e salvar empregos durante o bloqueio, permanecerá à frente de um ministério das finanças encarregado de levar a França para fora da crise e agora tem controle total do orçamento.

Elisabeth Borne se encarregará de um ministério aprimorado de assuntos sociais e trabalhistas, assim como a depressão revela ganhos no desemprego. Macron quer restabelecer as relações com sindicatos e eleitores após ondas de protestos.

Borne, que promoveu com êxito as mudanças nas ferrovias francesas diante da oposição sindical, ficará encarregado de ver reformas delicadas nas pensões.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.