Descrição de chapéu Fórum Econômico Mundial

Ministra da Agricultura diz que só inovação pode conciliar campo e meio ambiente

Em evento internacional, Tereza Cristina deixa de citar outras iniciativas para a sustentabilidade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quarta-feira (27) em evento virtual do Fórum Econômico Mundial que a inovação é o único fator capaz de conciliar produção de alimentos e proteção do meio ambiente.

"A inovação é imprescindível para adequar a agropecuária à realidade global e é o único vetor capaz de conciliar segurança alimentar com preservação ambiental", afirmou.

A ministra deu a declaração no painel "Destravando inovação para transformar sistemas alimentares" enquanto o Brasil recebe críticas de outros países por sua política ambiental e pelos índices recordes de desmatamento.

Apesar de citar que a bioeconomia e a sustentabilidade fazem parte dos eixos estratégicos de seu ministério, ela não mencionou outras iniciativas do governo voltadas à proteção ambiental.

Tema presente nas decisões de investidores internacionais para alocar recursos, o meio ambiente ganhou relevância nas discussões do Fórum Econômico Mundial desde o ano passado.

O Fórum lançou em 2020 a iniciativa “O Grande Recomeço” (The Great Reset), que faz referência ao mundo pós-Covid e à preocupação com vidas humanas, recuperação econômica e uso sustentável de recursos do planeta.

O evento que acontece nesta semana recebeu o nome de Agenda Davos e acontece nesta semana de forma virtual como espécie de preparação para a reunião anual sendo planejada para maio em Singapura, ainda em meio às incertezas com a pandemia.

A ministra defendeu em sua fala a expansão tecnológica entre pequenos produtores e disse que isso também vai estimular jovens do meio rural a não migrarem para o ambiente urbano.

"Temos mais de 4,5 milhões de pequenos produtores, e essa integração [digital] fará com que os jovens fiquem no campo e possam trabalhar, manter suas famílias e não deixar a população tão envelhecida que temos hoje no meio rural", disse.

Para ela, o Brasil está em processo acelerado de inovação tecnológica no campo e a próxima década será marcada pela convergência entre o digital e o biológico.

"Nos últimos anos, o volume de investimento em agritecs [empresas que investem em tecnologia e agricultura] no Brasil tem subido muito. Saltou de US$ 4 milhões em 2013 para mais de US$ 200 milhões em 2019", disse.

Segundo ela, mais de 2.000 empresas no Brasil investem hoje no desenvolvimento de tecnologias, como protocolos de certificação e rastreabilidade, que permitem produtos mais sustentáveis e seguros para os consumidores.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.