Brasil precisa priorizar vacinação para acelerar retomada econômica, diz FMI

Auxílio emergencial evitou maior recessão, mas imunização rápida ajudará país a crescer 3,7% este ano

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Washington

O FMI (Fundo Monetário Internacional) afirma que o Brasil precisa priorizar a vacinação para acelerar a recuperação econômica e alcançar as expectativas de crescimento para este ano, projetadas em 3,7% em relatório divulgado nesta terça-feira (6) pela instituição.

Em entrevista coletiva, Gita Gopinath, conselheira econômica e diretora de pesquisa do FMI, disse que medidas como o auxílio emergencial impediram uma contração mais grave no Brasil e devem ajudar na retomada, mas ainda há desafios para que o país alcance o patamar de crescimento previsto para 2021.

Gita Gopinath, conselheira econômica e diretora de pesquisa do FMI, disse que ainda há desafios para que o Brasil alcance o patamar de crescimento previsto para 2021 - Rodrigo Garrido - 26.jan.2021/Reuters

"Considerando a quantidade de apoio [econômico] que foi dado, a contração que vimos em 2020 não foi tão ruim quanto esperávamos. Espera-se que a economia retome em 2021, mas ainda há desafios, ainda há condições financeiras pelo mundo, riscos de condições financeiras, que podem ser um problema e afetar o Brasil", afirmou.

"A prioridade número um precisa ser a frente da vacinação, dando celeridade ao processo de imunização em comparação ao que temos visto neste momento."

Nesta terça, o FMI divulgou o relatório Panorama Econômico Mundial, que revisou a projeção de crescimento da economia global em 2021 de 5,5% para 6%, e ajustou a estimativa para o Brasil de 3,6% para 3,7%.

No documento, e também no discurso público de suas principais autoridades, o Fundo tem chamado a atenção para a retomada desigual entre países ricos e pobres por causa do acesso à vacina.

Na abertura das reuniões de primavera do FMI, nesta segunda (5), a diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, disse que a política de vacinação é a política econômica mais importante do mundo hoje, e apelou a países que têm excedente de doses a doarem vacinas para nações que necessitam.

Gopinath disse nesta terça que o Brasil é um dos países mais atingidos pela pandemia, destacando o alto número de casos e mortes --são mais de 13 milhões de casos e 331 mil vítimas entre os brasileiros —mas afirmou que a recuperação global também deve ajudar a impulsionar um cenário mais positivo no país.

Em outubro do ano passado, o FMI estimava crescimento de 2,8% para o Brasil e 5,2% para a economia mundial. As projeções do Fundo para o Brasil hoje são mais otimistas que a dos economistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central (3,17%), e do próprio Banco Central, que estima crescimento de 3,6%.

Ao lado de Gopinath, Petya Koeva Brooks, vice-diretora do departamento de pesquisa do FMI, afirmou que a projeção atual, de 3,7%, é "um aumento muito pequeno" em relação ao que havia sido estimado antes e que o Brasil deve ter um crescimento negativo no primeiro trimestre para, depois, voltar a crescer.

"De um lado, temos o impacto positivo do pacote de estímulo fiscal dos EUA [aprovado pelo Congresso americano no valor de US$ 1,9 trilhão] e, de outro, temos taxas de juros mais altas que o Brasil encara", disse Brooks.

"A expectativa é de que, no primeiro trimestre, teremos crescimento negativo, mas, no segundo trimestre, o impacto do novo auxílio emergencial aprovado em forma de transferência renda, vai começar a ajudar [nessa retomada]."

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.