Veja oito dicas para o pequeno empreendedor faturar na Black Friday

Ecommerce deve ser protagonista neste ano, e concorrência entre gigantes do varejo e negócios menores deve ser mais acirrada

São Paulo

Especialistas em varejo apostam que a Black Friday deste ano, marcada para o dia 27 de novembro, não será como as outras –o comércio online deve roubar o protagonismo das lojas físicas porque o brasileiro nunca comprou tanto pela internet.

Segundo o estudo Webshoppers 2020, realizado pela Ebit/Nielsen, 7,3 milhões de consumidores fizeram sua primeira compra online no primeiro semestre de 2020, crescimento de 38% em relação ao mesmo período do ano passado.

“O consumidor tem uma nova relação com o digital e está mais consciente de suas prioridades. Para ele, a Black Friday de 2020 será menos sobre comprar o que está com superdesconto e mais sobre fazer bons negócios”, diz Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o Varejo do Google Brasil.

Os especialistas também esperam uma participação bem maior dos negócios de pequeno porte, fatia do mercado que tem recebido incentivos inéditos para entrar no universo digital.

O Google, por exemplo, anunciou no dia 6 de outubro que marcas já podem exibir seus produtos de graça na aba Google Shopping.

Outra iniciativa que tem estimulado a presença dos pequenos no varejo online é o projeto Parceiro Magalu, lançado pela Magazine Luiza. Desde abril, mais de 70 mil empresas se cadastraram e passaram a vender seus produtos pelo market place da rede – desses, 60% são MEIs.

Com isso, a concorrência, inclusive com grandes marcas, será acirrada como nunca. “Esperamos muito mais protagonistas de pequeno e médio porte competindo com os grandes players pelo dinheiro do cliente”, afirma Edgard Neto, consultor de negócios do Sebrae.

Confira a seguir oito recomendações para quem é pequeno e quer aproveitar para faturar na temporada de promoções. Como falta pouco mais de um mês para a Black Friday, a hora de começar é agora.

*

1) Pequenos lojistas ou prestadores de serviços não têm como competir com os grandes na questão de preço. A melhor estratégia, diz Neto, é explorar o que os pequenos têm de melhor. “A saída é garantir um atendimento eficiente e caloroso, como oferecer um canal de videochamada para tirar dúvidas, por exemplo.”

2) Segundo o Google, tem crescido a busca pelas expressões “frete grátis” e “frete expresso”. Para Fernanda Bromfman, que responde pela área de varejo para PMEs do Google Brasil, essa é uma oportunidade e tanto para negócios de pequeno porte. “Eles são mais ágeis e têm mais facilidade para oferecer entregas rápidas e gratuitas na própria região. Mas é preciso divulgar esse diferencial de forma bem clara para atrair o consumidor.”

3) Não apele para soluções improvisadas, como pedir ajuda a amigos e parentes para reforçar a equipe de atendimento. “O empreendedor deve estar preparado para atender clientes que vão fazer perguntas técnicas sobre os produtos. Treinamento é fundamental”, alerta Neto.

4) Ponha sua marca em evidência nos canais digitais desde já. Insira seus dados (foto, endereço e informações de funcionamento) no Google Meu Negócio e exiba seus produtos no Google Shopping. Ambas as plataformas são gratuitas.

5) Planeje muito bem suas ações com base no tamanho do estoque e na capacidade de atendimento – quem promete e não cumpre gera frustração e pode perder o cliente em definitivo. “Para quem não tem muitas unidades de um mesmo produto em estoque, é melhor colocar toda a linha em promoção, oferecer descontos progressivos ou sugerir combos promocionais”, sugere Bromfman.

6) Privilegie sua base de clientes programando pré-vendas exclusivas, que podem começar bem antes da data.

7) Aproveite a visibilidade da Black Friday para se diferenciar da concorrência. “Durante décadas, era suficiente ter uma vitrine bonita e uma boa mala direta. Hoje não é mais assim”, adverte Mariana Castriota, gerente de marketplace do Parceiro Magalu. Caprichar nas campanhas nas redes sociais tornou-se fundamental. “Na Magalu, fazemos lives semanais para promover produtos de nicho, como itens de jardinagem, de cuidados com a pele, produtos veganos ou do universo geek”, exemplifica.

8) Não considere apenas um dia de Black Friday. “É recomendável aproveitar a sazonalidade inteira, o que inclui vendas de Natal, saldão de fim de ano e até promoções de volta às aulas”, afirma Bromfman.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.