Miguel Díaz-Canel não será chamado de ditador de Cuba; entenda

Novo presidente da ilha, que tem regime ditatorial, não concentra poderes em sua figura

O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, discursa na Assembleia Nacional nesta quinta-feira (19)
O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, discursa na Assembleia Nacional nesta quinta-feira (19) - AFP/www.cubadebate.cu
São Paulo

Diferentemente do que ocorria com Fidel Castro, que foi ditador de Cuba de 1959 a 2008, e com seu irmão Raúl Castro, que governou a ilha de 2008 a 2018, o novo presidente Miguel Díaz-Canel não será chamado de ditador pela Folha.

Cuba é uma ditadura comunista, já que é um regime autoritário de partido único, com repressão a liberdades individuais. No entanto, mesmo com a ascensão de Díaz-Canel a presidente do Conselho de Estado e, portanto, a chefe de governo e de Estado, ele não terá o poder concentrado em sua figura. É sabido que Raúl Castro continuará à frente do Partido Comunista Cubano e das Forças Armadas, de onde de fato vêm as decisões na ilha.

Por isso, em acordo com o Manual da Redação, a Folha tratará Díaz-Canel como líder ou dirigente do regime ditatorial cubano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.