Descrição de chapéu Global Media

Em busca de Cristiano Ronaldo, refugiados fogem da guerra para Portugal

Em grupo de 30 imigrantes que chegou ao país, parte sonha em ser jogador de futebol

Trinta pessoas, oito nacionalidades, 26 homens, duas mulheres, uma família de mãe com o filho. Todos eles vivem desde domingo (29) à noite no Centro de Acolhimento de Refugiados (CAR) do distrito de Bobadela.

O jornal Diário de Notícias falou com três: dois homens e uma mulher. Eles vêm à procura do sonho de ser futebolista. Ela quer ter voz enquanto mulher.

São jovens, solteiros, trocam as primeiras impressões, dão uma volta pelo Bairro de São João, na Bobadela, onde se localiza o CAR , tentam perceber onde estão.

Ouviram explicações sobre as regras da casa, receberam dinheiro para comprar comida, já que são os moradores que preparam as refeições. "Um supermercado muito grande, não sabia o que comprar, acabei por trazer ovos", conta Ahmed Jablid, confessando que não tem treinado muito na cozinha.

Recebem 150 euros (R$ 660) por mês cada, para a comida e transportes, além dos alimentos fornecidos pelo Banco Alimentar.

Leia mais no Diário de Notícias

Três refugiados portugueses olham para a câmera, com mulher na frente e dois homens atrás
Os refugiados Abdoulaye Bangoura, MIled Zageye e Ahmed Jablid (da esq. para a dir.), que vivem em Portugal - Gerardo Santos/Global Imagens
Diário de Notícias

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.