Presidente das Filipinas diz que assassinatos são seu único pecado

Rodrigo Duterte assumiu a responsabilidade pelas execuções extrajudiciais no país

Ana Estela de Sousa Pinto
São Paulo

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, assumiu em discurso nesta quinta-feira (27) responsabilidade pelos assassinatos dos esquadrões de morte no país.

"Meu único pecado são as execuções extrajudiciais", afirmou ele no pronunciamento.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, em evento em Manila
O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, em evento em Manila - Aaron Favila - 13.set.18/Associated Press

Desde que tomou posse prometendo guerra às drogas, em 2016, o presidente tem incentivado que a polícia nacional mate traficantes e pessoas ligadas ao uso de drogas. 

O governo reconheceu oficialmente nesta semana que 4.850 pessoas foram mortas em operações policiais nos últimos dois anos, e outras 155 mil foram presas.

Segundo a polícia, as mortes ocorrem em legítima de defesa, após reação dos suspeitos. Entidades de direitos humanos, porém, dizem que as forças do governo têm cometido assassinatos. 

Nesta quarta, por exemplo, a imprensa filipina noticiou que  um suspeito de tráfico foi morto por policiais com oito tiros, dois deles na cabeça, enquanto dormia em seu barraco em Tondo, uma das maiores favelas da capital, Manila.

Além das mortes reconhecidas oficialmente pelo governo, há outras provocadas por esquadrões da morte. Os números variam de acordo com a fonte, mas, segundo entidades de direitos humanos, de 8.000 a 15 mil pessoas já foram mortas, no total, desde que Duterte tomou posse.

Os órgãos dizem que esses assassinatos extrajudiciais são praticados por policiais à paisana e ex- policiais, e dizem que o discurso de Duterte reforça processos contra ele em fóruns de direitos humanos.

Desde fevereiro deste ano, ele é investigado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI). Em março, o governo filipino enviou carta ao secretário-geral da ONU pedindo para deixar o TPI. Mesmo que deixe o tribunal, crimes cometidos quando as Filipinas ainda integravam a corte podem ser julgados.

Nesta sexta (28), o porta-voz do governo, Harry Roque, afirmou que Duterte estava sendo jocoso e que sua fala não foi uma confissão.

No mesmo discurso de quinta, feito no palácio do governo, o presidente filipino afirmou que a guerra às drogas não terminará enquanto ele estiver no poder.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.