Descrição de chapéu Análise

G20 coloca um prego no caixão do multilateralismo

Americanos vetaram inclusão do termo na declaração final da cúpula de líderes

Clóvis Rossi
Buenos Aires

Os negociadores do G20 chegaram a incluir uma frase defendendo o multilateralismo como o princípio organizador das relações internacionais.

A delegação americana vetou, coerente com o mantra do presidente Donald Trump que exige “a América primeiro" (o que automaticamente menospreza o resto do mundo). Ficou apenas uma frase anódina (ou “gongórica", na definição de um dos negociadores brasileiros). 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Argentina, Maurício Macri, durante a cúpula do G20 em Buenos Aires
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Argentina, Maurício Macri, durante a cúpula do G20 em Buenos Aires - Marcos Brindicci - 30.nov.18/Reuters

Tirar uma menção ao multilateralismo do documento do grupo que é a quintessência do multilateralismo marca o G20 de Buenos Aires como o ponto mais baixo desse conceito. Só não é (ainda) o seu atestado de óbito porque todos os demais membros do G20 defendem o multilateralismo.

Uma segunda evidência de debilitamento da cooperação global —que foi a força motriz que levou o G20 a transformar-se, faz 10 anos, em reunião de cúpula— é o trecho do documento que trata do Acordo de Paris.

Os Estados Unidos iniciaram a negociação do texto com um veto à menção desse tratado que é o mais abrangente esforço global para enfrentar a mudança climática. O veto não foi acatado pelos parceiros dos EUA, que reafirmaram que o pacto é irreversível e será por eles totalmente implementado.

Mas o texto também explicita que os Estados Unidos se mantêm fora do consenso de seus pares.

É verdade que o comunicado do G20 joga para uma reforma da OMC (Organização Mundial do Comércio) a tentativa de desarmar as tensões no comércio internacional, provocadas também por Donald Trump.

A OMC é a mais importante instituição multilateral no âmbito econômico, talvez até mais que o Fundo Monetário Internacional, porque suas decisões afetam o dia a dia do comércio, ao passo que o FMI atua mais decisivamente em emergências.

Em tese, portanto, ao aceitar transferir para um organismo multilateral a guerra comercial, os Estados Unidos estariam violando seu desprezo pelo multilateralismo.

Não é bem assim: a reforma que está em fase embrionária na OMC transfere as negociações para grupos plurilaterais —ou seja, para um multilateralismo descafeinado.

Nada impede, ademais, que Trump decida continuar a agir unilateralmente em sua guerra com os chineses, enquanto se debate a reforma da OMC. São duas sendas paralelas.

A crise do multilateralismo já estava no horizonte desde o primeiro discurso da cúpula do G20, pronunciado pelo anfitrião, o presidente Maurício Macri: ele reconheceu que, nos últimos anos, houve “um questionamento sobre os mecanismos multilaterais contemporâneos, incluído o G20 e surgiram versões entre os países sobre como encarar individualmente os desafios globais".

Para quem gosta de enxergar sinais em detalhes, não deixa de ser eloquente que os organizadores da cúpula esqueceram de retirar uma faixa antiga, colocada bem em frente ao centro de mídia do encontro, passagem obrigatória para os 2.500 jornalistas credenciados. Dizia: “Liquidación por cierre” (liquidação para fechamento).

Aludia a uma crise na faculdade de Ciências Exatas, mas talvez venha a servir para o G20.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.