Descrição de chapéu Venezuela

Maduro diz aceitar novas eleições legislativas, mas não presidenciais

Oposição volta às ruas após convocação do presidente autodeclarado, Juan Guaidó

Caracas | AFP e Reuters

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, declarou-se disposto a organizar eleições legislativas antecipadas e a manter um diálogo com a oposição, que deve sair às ruas nesta quarta-feira (30) em resposta a uma convocação do presidente autoproclamado do país, Juan Guadió, que pediu mais sanções à União Europeia.

Maduro, no entanto, descartou a convocação de novas eleições presidenciais, argumentando que as últimas "aconteceram há menos de um ano, há 10 meses".

"Não aceitamos ultimatos de ninguém no mundo, não aceitamos a chantagem. As eleições presidenciais aconteceram na Venezuela e, se os imperialistas querem novas eleições, que esperem até 2025", disse, em uma entrevista à agência de notícias russa RIA Novosti.

Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, participa de exercícios militares em base aérea na cidade de Maracay - Xinhua/Prensa Miraflores/AVN

No sábado passado (26), Espanha, França, Alemanha e Reino Unido deram a Maduro um prazo de oito dias para a convocação de eleições. Em caso contrário, devem reconhecer Guaidó como "presidente" da Venezuela para que organize novas eleições.

"Estou disposto a comparecer à mesa de negociações com a oposição, para falar, pelo bem da Venezuela, pela paz e pelo futuro", declarou Maduro.

"Seria muito bom organizar eleições legislativas antes, seria uma boa forma de discussão política, uma boa solução através do voto popular."

Maduro repetiu ainda afirmação feitas em outras ocasiões de que o governo do presidente Donald Trump ordenou seu assassinato. 

"Donald Trump sem dúvida deu ordem para me matar e disse ao governo da Colômbia e à máfia colombiana para me matar", afirmou. 

"Maduro disposto a negociar com a oposição na Venezuela após sanções americanas e o corte de rendas do petróleo. Guaidó está sendo alvo da Suprema Corte venezuelana. Protestos em massa esperados para hoje. Americanos não devem viajar para a Venezuela até segunda ordem", escreveu Trump em um tuíte na manhã desta quarta. ​

Por sua vez, expressou reconhecimento ao presidente russo, Vladimir Putin, que apoia o governo venezuelano.

A Venezuela recebe a cada mês armamento russo, "o mais moderno do mundo", como parte dos acordos vigentes, disse.

 

Já Guaidó pediu mais sanções da União Europeia (UE) contra o regime de Maduro, em entrevista ao tabloide alemão Bild.

"Estamos em uma ditadura e deve existir pressão", afirmou.

"Precisamos de mais sanções por parte da União Europeia, como decidiu o governo dos Estados Unidos", afirmou.

Presidente da Assembleia Nacional, de maioria opositora, Guaidó pediu aos venezuelanos que saiam às ruas das 12h às 14h (14h a 16h de Brasília), com bandeiras, panelas, ou cartazes.

"A Venezuela se levantou para sonhar com o país que queremos. Devemos estar nas ruas, precisamos de todos para conquistar nossa democracia", afirmou o opositor de 35 anos ao convocar a manifestação.

Embora a cúpula militar tenha classificado de "engano", Guaidó insistirá durante o dia na oferta de anistia aos militares que colaborarem com uma transição, em uma tentativa de romper a principal base de apoio de Maduro, as Forças Armadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.