Descrição de chapéu Venezuela

Maduro anuncia fechamento da fronteira terrestre da Venezuela com o Brasil

Ditador avalia fazer o mesmo com a Colômbia para impedir entrada de ajuda humanitária

São Paulo e Caracas | AFP e Reuters

​O ditador Nicolás Maduro afirmou que vai fechar totalmente a fronteira terrestre da Venezuela com o Brasil a partir das 20h (horário local; 21h em Brasília) desta quinta-feira (21). O anúncio foi feito durante uma videoconferência com representantes de forças militares das oito regiões venezuelanas. 

"A partir das 20h de hoje, quinta-feira (21), fica fechada total e absolutamente a fronteira terrestre com Brasil. Mais vale prevenir do que lamentar", afirmou o ditador.

"Tome todas as medidas de segurança e proteção de nosso povo. Todas as medidas até novo aviso. Porque as provocações nós temos de trabalhá-las com tempo para desmontá-las", acrescentou.

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, acena ao chegar para pronunciamento na TV, em Caracas - Marcelo Garcia / Venezuelan Presidency /AFP

O anúncio ocorre dois dias antes do plano do líder da oposição e presidente interino Juan Guaidó de fazer entrar no país caribenho ajuda humanitária enviada pelos EUA. 

Maduro diz que o plano é um "show" e um pretexto para uma intervenção militar americana no país.

"A melhor reposta contra a iniciativa imperialista é a moral. Eles estão aplicando o manual da guerra psicológica, para debilitar, dividir e desmoralizar nosso Estado e os militares venezuelanos", afirmou.

"Eles subestimam a capacidade, a preparação e o profissionalismo dos militares venezuelanos. Nós somos [Hugo] Chávez vivo. Todos os dias nossa resposta deve ser a lealdade", acrescentou.

Em uma operação coordenada com os EUA, o governo Jair Bolsonaro anunciou nesta semana que vai permitir o uso de território brasileiro para que opositores de Maduro realizem a operação em 23 de fevereiro.

Bolsonaro determinou que o Brasil dê apoio logístico para que caminhões conduzidos por venezuelanos da oposição busquem mantimentos em Pacaraima e Boa Vista, em Roraima.

Maduro afirmou que também avalia o fechamento total da fronteira com a Colômbia. Há toneladas de suprimentos estocados na cidade colombiana de Cúcuta, na divisa.

"Considero o senhor Iván Duque [presidente da Colômbia] responsável por qualquer violência na fronteira", afirmou Maduro, que também pediu aos militares colombianos que não se prestem a nenhuma agressão contra a Venezuela. 

O ditador venezuelano realiza no início da tarde desta quinta uma videoconferência com a Equipe Nacional das Forças Armadas (FAN) para verificar a prontidão operacional de todas as unidades militares do país.

Reconhecido como presidente interino por 50 países, Guaidó viaja nesta quinta para Cúcuta para organizar a operação de entrega de ajuda. ​

A Venezuela vive a pior crise política e econômica de sua história, com grave escassez de remédios e hiperinflação. Segundo a ONU, desde 2015, cerca de 2,3 milhões de venezuelanos fugiram do país.

 

Guaidó prepara a realização de manifestações em todo o país para o sábado (23). Voluntários prometem ir em comboios até a fronteira, em busca de toneladas de medicamentos vindos da Colômbia, do Brasil e de Curaçao.

Maduro também reafirmou a decisão de suspender o tráfico aéreo e marítimo com Curaçao, onde está armazenada ajuda enviada de Miami. 

Maduro foi reeleito em maio de 2018 para um novo mandato de seis anos, em um pleito quase que totalmente boicotado pela oposição e considerado fraudulento por observadores internacionais.

Por isso, a Assembleia Nacional, de maioria opositora, não reconheceu o novo mandato do ditador e considerou que à Presidência estava vaga. Assim, indicou Guaidó para ocupar interinamente o cargo até que novas eleições livres sejam realizadas —o opositor se declarou presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.