Parlamento russo proíbe soldados de tirar selfies e de fazer 'check-ins'

Medida visa evitar localização e identificação de militares por inimigos e jornalistas

Igor Gielow
São Paulo

A Câmara baixa do Parlamento da Rússia aprovou uma lei nesta terça (19) que proíbe seus soldados de tirar selfies ou fornecer informações pessoais em redes sociais que permitam localizá-los ou identificá-los.

Soldado russo, em uniforme histórico, tira selfie em frente ao mausoléu de Lênin e ao Kremlin, em Moscou
Soldado russo, em uniforme histórico, tira selfie em frente ao mausoléu de Lênin e ao Kremlin, em Moscou - Maxim Shemetov - 5.nov.2017/Reuters

A Duma, como a Câmara é conhecida, aprovou a lei com 90,7% dos votos a favor, segundo informaram agências de notícias russas. Ela irá agora o Conselho da Federação, equivalente ao Senado, onde certamente será aprovada. Depois, vai à sanção do presidente Vladimir Putin.

A medida tem duas funções. Uma, mais óbvia, é de sigilo sobre a atividade dos militares. A outra é uma reação ao trabalho de sites investigativos, como Bellingcat ou Meduza, que se especializam em buscar divulgar informações que a grande mídia russa evita publicar para não contrariar o Kremlin.

Nos últimos anos, o uso de informação aberta na rede permitiu, por exemplo, localizar soldados russos em ação nas áreas separatistas pró-Moscou do leste da Ucrânia. Para o governo, esse tipo de reportagem ameaça a segurança nacional.

A lei institucionaliza uma norma de 2017 do Ministério da Defesa russo, que recomendava às tropas discrição: nada de selfies, fotos de colegas fardados ou "check-ins" que permitam a jornalistas ou a inimigos localizarem os militares.

A lei prevê que as Forças Armadas submetam quem a desrespeita a "medidas disciplinares", sem especificar quais seriam.

A discussão se insere no contexto da relação cada vez mais desconfiada da Rússia de Putin com a internet, na esteira das acusações contra hackers do país de interferir na eleição presidencial americana de 2016 em favor de Donald Trump.

Na semana passada, o governo russo disse considerar fazer um teste de desconexão da internet do país de servidores estrangeiros. A ideia é fazer todo o tráfego de informações ser direcionado para roteadores controlados pelo Kremlin.

A justificativa para o teste, que pode ocorrer em abril, é proteger a Rússia de uma tentativa de desligamento da internet no país por potências ocidentais, que controlam os servidores que servem de base para os sistemas de endereço da rede mundial de computadores.

O governo Putin considera as acusações contra si uma desculpa de países ocidentais para eventualmente fazer um grande ataque cibernético à Rússia.

Críticos do Kremlin temem, contudo, que tudo seja uma experiência para viabilizar um sistema de controle de informações centralizado pelo governo, ao estilo que ocorre na China, ditadura comunista que bloqueia o acesso a diversos sites que consideram prejudiciais ao regime.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.