Jovem se suicida na Malásia após perguntar a seguidores em rede social se deveria se matar

Garota de 16 anos criou enquete no Instagram com vida e morte como alternativas

Kuala Lumpur e São Paulo | AFP

Uma adolescente de 16 anos se suicidou na Malásia depois de criar uma enquete em sua conta no Instagram perguntando a seus seguidores se deveria viver ou morrer. A maioria votou a favor de sua morte. 

A jovem de 16 anos, que morava no estado de Sarawak, tirou a própria vida na segunda (13), afirmou a polícia para a mídia local.

"É muito importante. Me ajudem a escolher entre D/L", postou a adolescente, usando as letras D de "death" (morte, em inglês) e L de "life" (vida). Sessenta e nove por cento dos seguidores votaram pela morte, e 31% pela vida, segundo a polícia.

Tela de celular com ícones de redes sociais; Instagram está à direita - Arun Sankar / AFP

Aidil Bolhassan, chefe da polícia local, disse que ela foi encontrada morta no chão de um edifício da cidade de Kuching, na ilha de Borneo. Aparentemente, a garota pulou do terceiro andar de um shopping center.

Bolhassan também acrescentou que a jovem parecia sofrer de depressão e havia publicado uma mensagem em sua página no Facebook dizendo que queria deixar de viver. 

Um deputado local pediu a abertura de uma investigação para evitar outros casos semelhantes nas redes sociais.

Por sua vez, o ministro da Juventude e Esportes, Syed Saddiq, expressou sua preocupação com a saúde mental dos jovens no país. "É um problema nacional que precisa ser abordado com seriedade", afirmou.

Ching Yee Wong, encarregada das comunicações do Instagram para a Ásia Pacífico, transmitiu seus pêsames à família. “Temos uma grande responsabilidade para garantir que as pessoas que usam o Instagram se sintam apoiadas. Pedimos a todos que usem nossas ferramentas de denúncia e entrem em contato com os serviços de emergência se virem algum comportamento que coloque a segurança das pessoas em risco", afirmou.

Em fevereiro, o Instagram anunciou que colocaria "telas de proteção" para bloquear imagens que promovem a automutilação ou o suicídio. A iniciativa veio após a morte da adolescente britânica Molly Russel, de 14 anos —seus pais disseram que ela se suicidou após olhar imagens de automutilação na rede de fotografias. 

No Brasil, ao procurar pela palavra "suicídio" na rede social, uma tela que oferece opções de ajuda ao usuário aparece para o usuário da rede social.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.