Descrição de chapéu The Washington Post

Refugiados começam a ajudar a economia da Alemanha

Com falta de profissionais técnicos, país recorre aos imigrantes para preencher as vagas

Griff White Luisa Beck
Garbsen (Alemanha) | The Washington Post

Em sua Síria natal, Mohammed Kassim trabalhava como eletricista. Mas, por ter aprendido a profissão informalmente, ele não tinha diplomas que confirmassem sua competência.

Agora, em seu país adotivo, Kassim, 30, está recebendo o treinamento que nunca teve. E está sendo pago para isso, por uma empresa que lhe prometeu um emprego que pode transformá-lo de refugiado empobrecido em membro da classe média da Alemanha.

O programa que está ajudando dezenas de milhares de refugiados a reconstruir suas vidas não foi criado para atender as pessoas que foram para a Alemanha para escapar da guerra, da opressão e da pobreza.

Em vez disso, o sistema de aprendizes alemão é um programa fixo na economia do país, com raízes que remontam à era medieval. Mas com o índice nacional de desemprego chegando a um de seus pontos mais baixos em 30 anos, os jovens alemães perderam o apetite por treinamento profissionalizante. As empresas enfrentam escassez de trabalhadores capacitados e isso pode prejudicar seu crescimento.

A chanceler alemã Angela Merkel tira foto com migrantes da Síria e do Iraque em Berlim
A chanceler alemã Angela Merkel tira foto com migrantes da Síria e do Iraque em Berlim - Fabrizio Bensch - 10.set.15/Reuters

"Temos motivos reais —e não apenas bons sentimentos— para apoiar e ajudar e pressionar os refugiados para que aceitem treinamento profissional", disse Günter Hirth, economista da Câmara de Comércio de Hannover, uma cidade no centro da Alemanha. "A economia alemã precisa de trabalhadores qualificados".

Determinar se essa questão poderá ser resolvida com os refugiados pode responder a duas das perguntas mais prementes do país: a Alemanha conseguirá integrar o vasto número de refugiados que acolheu? E sua economia continuará a prosperar mesmo com o envelhecimento da população nativa?

Os indicadores iniciais são promissores, ainda que inconclusivos, nas duas áreas. Quase quatro anos depois que a chanceler alemã Angela Merkel optou por manter abertas as fronteiras do país em meio a um grande fluxo de pessoas buscando asilo na Europa, uma maioria significativa do 1,5 milhão de pessoas que chegaram ao país continua a não fazer parte da força de trabalho.

Muitos estão fazendo os cursos de integração e idiomas requeridos. Quase 200 mil refugiados estão registrados como desempregados.

Mas depois de investir bilhões de euros a fim de acomodar os recém-chegados, a Alemanha começa a colher alguns frutos. O número de pessoas que estão trabalhando ou participando de programas de treinamento para emprego está crescendo e atingiu a marca dos 400 mil no final de 2018.

As organizações empresariais alemãs informam que 44 mil delas se matricularam em programas de aprendizagem. Isso acompanha ou até supera um pouco as projeções de muitos especialistas.

"Temos uma referência para como o programa deveria se desenvolver e, depois de três anos e meio, estamos no caminho certo", disse Hirth, que mencionou como modelo a integração de refugiados da antiga Iugoslávia, na década de 1990. Naquele caso, ele disse, 80% dos adultos em idade de trabalho estavam empregados depois de oito anos.

A atual geração de refugiados, ele disse, se beneficia do fato de que a Alemanha está desfrutando de "um ambiente econômico ideal", com desemprego abaixo dos 5%.

E ao mesmo tempo, a Alemanha se beneficia do perfil demográfico dos recém-chegados, 60% dos quais têm idade inferior a 25 anos,

"Não foram os velhos que fugiram. Foram os jovens", ele disse. "Isso é excelente para nós".

Com população nativa em queda, a Alemanha precisa desesperadamente desses jovens.

"Se os alemães desejam manter seu bem-estar econômico, temos de receber em média meio milhão de imigrantes a cada ano", disse Wolfgang Kaschuba, ex-diretor do Instituto para Integração Empírica e Pesquisa sobre Migração, de Berlim. "Precisamos garantir que nossa sociedade se mantenha jovem, porque o envelhecimento vem sendo dramático".

Inserir os recém-chegados na força de trabalho não foi fácil. A vasta maioria deles chega sem saber alemão —idioma notoriamente difícil— e sem as capacitações profissionais que empresas alemãs requerem.

Entre as pessoas que buscam empregos, muitas aceitaram trabalhos mal pagos em restaurantes, armazéns ou na chamada "economia do frila", fazendo serviços de entrega.

Sigmar Walbrecht, que dirige projetos de integração na força de trabalho como membro do Conselho de Refugiados de Hannover, tenta convencer os refugiados com quem conversa de que seria melhor para eles treinar e obter um emprego com melhor salário no futuro, mesmo que isso signifique ganhar menos durante o treinamento. Mas os atrativos de obter um salário rapidamente são fortes.

"Eles estão sob pressão. Têm de pagar dívidas com suas famílias, nos países de origem, e talvez com traficantes de pessoas. Querem conseguir apartamentos logo", ele diz. "É difícil explicar que, no longo prazo, se sairão muito melhor depois do processo de aprendizagem".

O sistema de aprendizagem alemão remonta às guildas da Idade Média, e é visto como modelo para todo o mundo. Os aprendizes dividem seu tempo entre uma escola vocacional e treinamento no local de trabalho, e muitas vezes precisam passar por três anos de estudo para dominar sua profissão.

São patrocinados por empresas que investem em sua capacitação e tipicamente os contratam no final do processo.

A cada ano, o programa forma centenas de milhares de artesãos treinados e outros profissionais, que passam por exames rigorosos, aplicados nacionalmente. Os especialistas dizem que o sistema, e seus padrões exigentes, foi um fator chave para fazer da Alemanha uma potência industrial.

Mas muitos dos alemães mais jovens estão optando por deixar de lado esse percurso tradicional para uma vida de classe média, e optando em vez disso por obter diplomas universitários. No ano passado, um terço das empresas alemãs afirmaram ter vagas para treinamento desocupadas —a porcentagem mais alta em 20 anos.

"É uma guerra pelo talento", disse Melanie Fleig, que comanda o treinamento na Clarios, uma das maiores fabricantes mundiais de baterias para automóveis. "Todo mundo quer ir para a universidade e ganhar muito dinheiro. Ninguém quer trabalhar na fábrica".

Mas Alan Ramadan quer. O refugiado sírio chega às 6h45 toda manhã ao grande complexo de produção de sua empresa, em Hannover. Está aprendendo a soldar, perfurar e chumbar.

"Em meu país, eu gostava de consertar coisas, trabalhando sozinho. Era um hobby para mim. E achei que poderia fazer disso uma profissão", disse Ramadan, 32, que fugiu da Síria por conta da guerra civil.

O desempenho dele no trabalho foi considerado como tão promissor que Ramadan foi selecionado para alguns anos de treinamento adicional —e remuneração mais alta ao se formar.

"De refugiado a engenheiro na Alemanha", disse Fleig, "Esse é o objetivo".

Ramadan, que trabalha como voluntário no corpo de bombeiros de Hannover quando não está estudando os cinco idiomas que fala ou aprendendo matemática e física online, reconhece que sua história é incomum entre os refugiados. No caso de muitos deles, o fato de não falarem alemão os exclui dos programas de aprendizagem.

Não é fácil aprender a conversar em alemão. Aprender alemão técnico, para o campo de trabalho selecionado, é obrigatório.

"As pessoas gostariam de entrar no programa", ele diz. "Mas o idioma é muito difícil".

Outros fatores que reduzem a adesão incluem a possibilidade de que a pessoa em busca de asilo seja deportada. Poucas empresas querem investir em um trabalhador que ainda está em busca de proteção como refugiado, e pode ter sua solicitação negada.

O governo alemão fez algum esforço para aliviar essa preocupação, adotando uma regra conhecida como "três mais dois". Os solicitantes de asilo que tiverem seus pedidos de refúgio negados podem treinar por três anos e trabalhar por pelo menos dois anos sem se preocupar com deportação. Capacitação comprovada e um histórico de trabalho podem ser uma vantagem caso eles voltem a solicitar asilo.

Em uma escola técnica perto de Garbsen, um subúrbio de Hanover, Sheraz Chaudry, 19, espera que o sucesso como eletricista aprendiz baste para mantê-lo na Alemanha. Os serviços dele certamente são necessários.

A escassez de eletricistas no país é tão severa que os clientes enfrentam semanas de espera para conseguir os serviços de um deles.

Nos quase quatro anos transcorridos desde que chegou do Paquistão, Chaudry aprendeu alemão fluente, fez amizades com alemães e, em companhia do colega de classe Kassim, se destacou como um dos melhores pupilos de seu instrutor alemão.

"Percebo a sede de conhecimento que eles têm", disse Harald Kühn, 59, que trabalhou como eletricista em toda a Europa, tendo se formado décadas atrás em um programa de aprendizagem alemão. "E nessas profissões precisamos exatamente disso".

Tradução de Paulo Migliacci

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.