Descrição de chapéu Coreia do Norte

Coreia do Norte expulsa estudante australiano após acusá-lo de espionagem

Alek Sigley ficou detido por dez dias; ele usava redes sociais para falar sobre a vida no país

Reuters e AFP

O estudante australiano Alek Sigley, 29, foi expulso da Coreia do Norte após semanas tido como desaparecido e depois de dez dias sob custódia do governo. 

As autoridades da ditadura norte-coreana o acusam de atos de espionagem, segundo informou um veículo da imprensa estatal neste sábado (6).

Após ser solto, Sigley viajou para o Japão na quinta-feira (4), com escala no aeroporto de Pequim. Ele estava detido desde 25 de junho, segundo o governo, por fazer propaganda anti-Coreia do Norte na internet.

O estudante Alek Sigley, 29, no aeroporto de Pequim, de onde viajaria para o Japão na quinta (4)
O estudante Alek Sigley, 29, no aeroporto de Pequim, de onde viajaria para o Japão na quinta (4) - Issei Kato - 7.jul.19/Reuters

A agência oficial de notícias norte-coreana KCNA indicou que Sigley havia "admitido honestamente que esteve espionando, coletando nossas informações internas e compartilhando-as com outros e nos pediu reiteradamente perdão por ter infringido nossa soberania".

O regime o acusa de coletar e disseminar informação, "incluindo fotografias e análises", usando seus preceitos como estudante internacional.

"O governo da Coreia do Norte demonstrou sua contenção humanitária e o deportou de seu território em 4 de julho", acrescentou a agência.

Sigley, que fala fluentemente o idioma local, dirigia uma empresa especializada em passeios pela Coreia do Norte. Casado com uma japonesa, o australiano administrava várias páginas nas redes sociais contando sobre a vida diária no país e colaborava com veículos internacionais como NK News.

Na sexta (6), já em território japonês, o jovem disse que estava em segurança e que pretendia retornar à vida normal.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.