Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro diz que RS pode virar Roraima se 'esquerdalha' vencer na Argentina

Vice-presidente, general Mourão, defende diálogo caso chapa kirchnerista ganhe eleição de outubro

Pelotas (RS), Brasília e Barra do Ribeiro (RS)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) lamentou nesta segunda (12) a vitória da oposição nas eleições primárias da Argentina, indicando possível derrota de seu aliado, Mauricio Macri, no pleito de outubro.

A declaração foi feita pela manhã em Pelotas (RS), durante evento para inaugurar 47 km de duplicação da BR-116. 

Bolsonaro disse que o Rio Grande do Sul pode se transformar em Roraima caso Cristina Kirchner, vice na chapa liderada por Alberto Fernadéz, volte ao poder, comparando a Venezuela de Maduro à Argentina.

"Não esqueçam que, mais ao Sul, na Argentina, o que aconteceu nas eleições de ontem. A turma da Cristina Kirchner, que é a mesma de Dilma Rousseff, que é a mesma de Hugo Chávez, de Fidel Castro, deram sinal de vida aqui. Povo gaúcho, se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter no Rio Grande do Sul um novo estado de Roraima", disse ao público de convidados e de apoiadores. 

"Vocês [gaúchos] podem correr o risco de, ao ter uma catástrofe econômica lá, como teve na Venezuela, ter uma invasão da Argentina aqui. Não queremos isso para nossos irmãos", afirmou, ao ser questionado por jornalistas ao final do evento.

Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao sair do Palácio da Alvorada - Antonio Cruz/ Agência Brasi

Roraima vem recebendo número crescente de venezuelanos que fogem do país em função da crise econômica, que se arrasta desde 2015 e não dá sinais de arrefecimento. Existem mais de 30 mil cidadãos do país vizinho vivendo em Roraima, um estado de 576 mil habitantes, de acordo com o IBGE. O governo diz que o estado abriga ao menos 40 mil venezuelanos

Na Argentina, a chapa de oposição liderada por Alberto Fernández, que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice, venceu com larga vantagem as primárias presidenciais no domingo (11). A eleição ocorre em 27 de outubro.

Já o vice-presidente Hamilton Mourão avaliou nesta segunda (12) que o presidente argentino Mauricio Macri sofreu uma derrota "meio contundente" e que o governo brasileiro deve dialogar com Fernández caso ele vença a eleição presidencial.

Em conversa com a Folha, o general observou que a economia do país vizinho "não está bem" e que os argentinos optaram pela mudança nas primárias presidenciais. "A economia do país não está bem. As pessoas querem mudança, né. E aí houve a mudança. Eu acho que a derrota do Macri foi meio contundente", disse. 

Para defender o diálogo, ele lembrou de citação do ex-primeiro-ministro e ex-secretário para assuntos estrangeiros do Reino Unido Henry John Temple (1784-1865), mais conhecido como Lord Palmerston. 

"É lógico que tem de ter [diálogo]. Um dos grandes estadistas ingleses, o Lord Palmerston, dizia o seguinte: 'Nós não temos amizades eternas nem inimigos perpétuos. Apenas os nossos interesses.'"

A vitória da chapa de oposição nas primárias argentinas representou um revés para Bolsonaro, na avaliação de integrantes da cúpula militar e da diplomacia brasileira.

O diagnóstico feito por eles à Folha, em caráter reservado, é de que o presidente brasileiro se equivocou ao ter se envolvido de maneira ativa na disputa do país vizinho e que seria adequado, neste momento, reavaliar o discurso, moderando o tom.

Desde maio, Bolsonaro tem feito reiterados ataques a Cristina, inclusive em entrevista à imprensa estrangeira, e pedido à população argentina que não votasse nela. Para ele, o retorno da hoje senadora ao Poder Executivo pode fazer com que a Argentina se torne uma Venezuela.

Nas palavras de um assessor palaciano, as críticas foram "desnecessárias" e acabaram apenas por criar um ônus ao presidente brasileiro sobre um assunto no qual ele não tem relação direta.

A avaliação de auxiliares presidenciais é de que a manutenção do discurso belicoso, diante da chance de vitória da oposição, pode dificultar uma composição entre Brasil e Argentina no futuro, sobretudo no momento em que se negocia o acordo entre Mercosul e União Europeia.

No início da tarde desta segunda, em visita ao município gaúcho Barra do Ribeiro, Bolsonaro retomou a defesa do filho Eduardo Bolsonaro como embaixador nos EUA e citou como uma das qualificações dele o fato de ser "filho do JB".

“Se não for o meu filho, vai ser o filho de alguém. A embaixada em Washington se chama Eduardo Bolsonaro", afirmou o presidente.

"A amizade com a família Trump é um grande passo. De Lula para cá, o que de útil certas embaixadas fizeram pelo Brasil? Então, vamos tocar o barco. Ele sabe fritar hambúrguer, entregar pizza e falar inglês. É policial federal concursado, tem a carteira da OAB, é o deputado federal mais votado da história do Brasil e é filho do JB.”​

Paula Sperb, Gustavo Uribe e Juliana Coissi

Colaborou Léo Gerchmann, em Barra do Ribeiro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.