Descrição de chapéu Livros

Livro romanceia história de Mengele, médico nazista que fugiu para o Brasil

Contraste em relação a outros livros sobre médico de Auschwitz é narrativa que combina documentos e ficção

João Perassolo
São Paulo

Há 60 anos, Helmut Gregor desembarcava no porto de Buenos Aires carregando uma maleta com seringas hipodérmicas, amostras de sangue e plaquetas de células.

Ele havia fugido de navio a partir da Itália, onde se refugiou com documentos falsos após três anos colhendo batatas em uma fazenda próxima a Gunzburgo, na Alemanha, sua terra natal.

Na Argentina peronista da década de 1950, dirigiria uma marcenaria, venderia máquinas agrícolas para os fazendeiros da região do Chaco e realizaria uma série de abortos ilegais —além de se aproximar do governo, o que lhe rendeu um passaporte alemão com seu nome verdadeiro: Josef Mengele.

O médico nazista Josef Mengele, que morreu afogado em Bertioga, litoral de São Paulo, em 1979
O médico nazista Josef Mengele, que morreu afogado em Bertioga, litoral de São Paulo, em 1979 - Reprodução

A vida pós-Segunda Guerra do “anjo da morte” —como ficou conhecido o médico nazista responsável pela engenharia da raça ariana— é o mote do premiado romance baseado em fatos reais “O Desaparecimento de Josef Mengele”, escrito pelo jornalista francês Olivier Guez, publicado agora no Brasil.

O livro ganhou em 2017 o Renaudot, importante prêmio literário da França. 

Em entrevista à Folha, Guez, 45, conta que seu objetivo era descobrir como foi a “segunda vida” daquele que considera o pior assassino da história.

Mengele “mandou, assobiando, 400 mil homens para a câmara de gás”, conta o narrador do livro. Os que não eram enviados para a morte serviam como cobaias para seus experimentos em busca de uma raça pura: “extrações de sangue, punções lombares, trocas de sangue entre gêmeos”.

“Ele nunca se arrependeu de nada e considerou que o que fez era seu dever como soldado da biologia alemã”, comenta o autor. “Não tinha qualquer empatia por suas vítimas, que não considerava humanos. Tinha que pensar desta forma para não entrar em colapso”, completa Guez.

A diferença deste em relação a outros livros sobre o médico de Auschwitz é sua narrativa romanceada, que o autor chama de “romance-verdade”. 

A obra foi escrita com base em biografias, documentos e visitas do escritor a Argentina, Paraguai e Brasil, países onde Mengele se refugiou até morrer, em 1979, em uma praia de Bertioga, litoral de São Paulo.

“O romance era a melhor forma de contar a sua trajetória porque, em uma biografia clássica, você se perde com tantos detalhes”, afirma.

A narrativa é cheia de detalhes, de tal forma que a fluidez do texto se perde em diversos momentos, tamanha a quantidade de informações contidas em cada parágrafo.

Júlio Pimentel Pinto, professor do Departamento de História da USP, que pesquisa as relações entre história e ficção, diz que romancear um personagem “enigmático e sinistro” como Mengele gera o risco de transformá-lo em caricatura.

Por outro lado, ressalta que “a ficção pode produzir significados para além dos materiais aos quais o historiador é forçado a se limitar”. Neste caso, quem ganha é o leitor, argumenta, por poder compreender a complexidade de uma figura histórica a partir da liberdade imaginativa do autor.

Um exemplo de tal liberdade é a forma como o narrador descreve as variações de humor do fugitivo, que nunca foi preso por seus crimes.

Na primeira metade do livro, Mengele aparece esperançoso com o tratamento concedido aos nazistas refugiados na Argentina; na segunda, torna-se um homem “errante e fugitivo”, ao escapar para o Paraguai.

Para o autor, o exílio latino-americano de Mengele simboliza o fim de uma “certa ideia da Europa do iluminismo”.

“A Europa se curou do Holocausto apenas superficialmente. A destruição fez com que perdêssemos algo em nossa crença de quem somos e do que devemos fazer.”

O Desaparecimento de Josef Mengele

  • Preço R$ 39,90 (224 págs.)
  • Autor Olivier Guez
  • Editora Intrínseca

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.