Países da antiga Iugoslávia mantêm relíquias brutalistas

Popular nas décadas de 1950 e 1960, estilo arquitetônico é baseado em formas brutas de concreto armado

Belgrado | Reuters

A Torre Genex é impossível de não ser vista na estrada que vai do aeroporto de Belgrado, na Sérvia, até centro da cidade. 

Seus dois blocos altos, conectados por uma ponte suspensa e cobertos por um restaurante rotativo que parece uma cápsula espacial, fechado há tempos, são uma visão tão incomum que a torre de 1977 virou ímã para turistas, apesar de anos de descuido.

A torre é um grande exemplo do brutalismo —um estilo arquitetônico popular nas décadas de 1950 e 1960, baseado em formas brutas de concreto armado. Ele foi muito adotado em todo o bloco oriental da Europa, mas a antiga Iugoslávia criou o seu próprio, aproveitando-o como uma maneira de forjar uma identidade visual equilibrada entre o Leste e o Ocidente.

Depois da Segunda Guerra, a Iugoslávia, liderada por Josip Broz Tito, partiu para a reconstrução da terra destruída pelos combates. Inicialmente aliado à União Soviética, Tito rompeu com Joseph Stalin em 1948.

 

Blocos residenciais, hotéis, centros cívicos e monumentos, todos feitos de concreto, brotaram por todo o país.

A arquitetura deveria mostrar o poder de um Estado entre dois mundos —a democracia ocidental e o leste comunista, procurando seguir seu caminho e criar uma utopia socialista.

Após a morte de Tito em 1980 e a crise econômica que se instaurou, novas elites procuraram se distanciar do regime socialista, incluindo sua arquitetura. Em 1991, começou a série de guerras que levaram ao colapso. E, agora, o interesse por esse estilo está aumentando  —especialmente depois de uma exposição em 2018 no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), chamada "Utopia em concreto: Arquitetura na Iugoslávia, 1948-1980".

"Temos dezenas de pessoas todas as semanas interessadas em fazer nossa excursão Yugo pelos marcos urbanos construídos entre os anos 1950 e 1980", disse Vojin Muncin, gerente da agência de turismo Yugotour, que leva turistas pela capital sérvia em Yugos —o carro outrora onipresente na antiga Iugoslávia.
 

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.