Descrição de chapéu The Washington Post

Jovens argentinas lideram batalha por linguagem sem distinções de gênero

Natalia Mira, 18, tornou-se representante do movimento que defende uso do 'e' no lugar das letras 'o' e 'a'

Samantha Schmidt
Buenos Aires | The Washington Post

Centenas de adolescentes estavam reunidos na rua mal iluminada para participar de um ato público estudantil. Natalia Mira, 18, ergueu a mão e os convidou a cantar.

Era uma canção ouvida com frequência entre jovens em atos públicos políticos em Buenos Aires —uma ode ao ex-presidente argentino Juan Perón e sua esposa, Eva.

“Militaremos de sol a sol”, cantaram diante de seu colégio. “Somos es jovens, es soldades de Perón.”

No espanhol, língua em que todos os substantivos possuem um gênero, “soldados” é uma palavra masculina: “os soldados de Perón”.

A letra cantada por Mira foi diferente: “les soldades”.

punhos erguidos de mulheres com lenços verdes amarrados
Mulheres participam de manifestação contra a violência de gênero, em Buenos Aires - Magali Druscovich/Reuters

Para a maioria das pessoas que fala espanhol, o “e” nas duas palavras —“es soldades”— soa estranho, além de gramaticalmente incorreto.

Mas na Argentina, adolescentes estão reescrevendo as regras da língua para eliminar o gênero.

Nas salas de aula e em conversas do dia a dia, os jovens estão mudando o modo como falam e escrevem, substituindo a terminação masculina “o” e a feminina “a” por um “e”, de gênero neutro, em certas palavras, em um esforço para modificar o que veem como sendo uma cultura profundamente machista.

Seus esforços estão ao centro de uma discussão global sobre gênero, em meio à visibilidade crescente das identidades não binárias e de uma onda de movimentos feministas pelo mundo afora.

Uma parte importante da batalha está sendo travada no terreno linguístico.

Nos Estados Unidos, o uso do pronome “they” no singular virou tão comum que em setembro o dicionário Merriam-Webster adotou seu uso como pronome para indicar pessoas não binárias.

Na França, um livro didático escolar que promovia uma versão do francês de gênero neutro levou o primeiro-ministro a proibir a forma em todos os documentos governamentais oficiais.

Na Alemanha, dezenas de figuras influentes protestaram contra esforços feitos no país para adotar linguagem de gênero neutro.

Na Argentina, uma entrevista à TV em que Natalia Mira usou linguagem de gênero neutro casualmente ajudou a difundir a novidade por todo o país. Agora a nova gramática está encontrando aceitação oficial.

Departamentos de pelo menos cinco universidades na Argentina já anunciaram que vão aceitar o uso desse espanhol “inclusivo” em trabalhos acadêmicos.

As palavras de gênero neutro se espalham por faixas, pichações e folhetos de campanha na capital argentina.

Depois de uma juíza ter causado polêmica ao usar a forma neutra numa decisão judicial recente, um comitê de supervisão de magistrados declarou que agora os juízes estão autorizados a usar palavras de gênero neutro.

Livros foram traduzidos para o espanhol de gênero neutro, entre eles uma versão de “O Pequeno Príncipe”.

A forma neutra já chegou aos hispanófonos nos Estados Unidos, suscitando discussões em programas linguísticos universitários.

Semanas antes de se tornar presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández usou o espanhol neutro em público, em um discurso perante estudantes secundaristas.

E a nova forma estava aparecendo em mensagens do WhatsApp e posts do Instagram quando milhares de argentinas se prepararam para participar do maior encontro anual de mulheres na história do país, num fim de semana do início de outubro.

Mas eliminar o gênero no espanhol, idioma falado por mais de 577 milhões de pessoas em todo o mundo, não é tão simples quando adotar um pronome de gênero neutro.

A Real Academia Espanhola, a autoridade preeminente no idioma secular, já decretou que essas modificações gramaticais são “desnecessárias e artificiais”.

Para muitos hispanoparlantes, a forma de gênero neutro é uma aberração.

A nova fórmula linguística divide opiniões no movimento feminista no qual nasceu. Enquanto alguns setores do movimento insistem em falar de maneira que inclua pessoas não binárias, outros resistem, preferindo empregar palavras femininas.

Outros se perguntam se vale a pena tentar mudar a língua. Isso chegaria a fazer uma diferença?

Mas quando Mira e suas amigas entoaram palavras de ordem em sua manifestação, a forma de gênero neutro estava em toda parte —nas canções que tinham memorizado, nas faixas estendidas do edifício de mármore atrás delas.

Na Escola Superior de Comércio Carlos Pellegrini, adolescentes pulavam e gritavam no meio de noite, aguardando os resultados das eleições do grêmio estudantil da escola, um evento tão importante que é coberto pela mídia nacional.

Ligada à Universidade de Buenos Aires, a escola é vista há muito tempo como uma força influente na política argentina.

E isso se aplica especialmente a esta geração. Como os estudantes da escola Parkland, nos Estados Unidos, ou os ativistas climáticos na Europa, as meninas adolescentes da Escola Carlos Pellegrini estão ao centro do movimento feminista argentino.

Usando pochete vermelha e tênis Converse, Mira reuniu seus ex-colegas de classe mais jovens, ajudando a comandar a campanha para a eleição do grêmio estudantil, apesar de ela própria já ter se formado.
“Gente!”, gritou ela. “Estamos literalmente empatades”.

Estudantes fizeram passeata no meio do trânsito, tocando trompetes e tambores. Pintada com spray sobre um prédio do outro lado da rua se via a palavra “UNIDÆS”, uma versão de gênero neutro de “unidos”.

Depois da 1h, uma garota correu até Mira para dizer que todos os votos já tinham sido dados e que a chapa de Mira havia ganho. Seus amigos aplaudiram.

“Vamos cantar a marcha!”, gritou Mira, comandando o grupo numa versão nova de uma canção escrita muitos anos atrás —o hino oficial do movimento peronista.

“Les muchaches peronistas, todes unides triunfaremos.” Ou seja, “es jovens peronistas, todes unides triunfaremos”.

Pouco menos de dois anos atrás, Mira estava no Facebook quando viu um post que chamou a sua atenção. Uma amiga havia escrito substituindo “o” e “a” por “e” nas palavras que faziam referência a grupos de pessoas.

O conceito de um espanhol de gênero neutro não era novidade para Mira. Ela já estava familiarizada com o uso de “x” em palavras escritas, como já é usado comumente em “latinx”.

E havia visto outros exemplos também: símbolos como @ ou æ para indicar vogais de gênero neutro.

Mas essa nova variação parecia o modo mais prático de romper com um sistema tão patriarcal que as palavras no plural são por padrão masculinas.

O “e” de gênero neutro não apenas inclui as identidades não binárias, disse Mira, como é uma maneira simbólica poderosa de protestar contra toda a estrutura da língua.

“Isso gera uma pequena crise na cabeça das pessoas, tipo ‘o que está acontecendo aqui?’”, disse Mira. “Obriga as pessoas a parar para refletir sobre como nos comunicamos.”

Para a cientista cognitiva Lera Boroditsky, o modo como falamos pode de fato moldar como pensamos.

A palavra “ponte”, por exemplo, é feminina no alemão, mas masculina na Espanha.

Em experimentos, Boroditsky descobriu que as pessoas de língua alemã tendem a usar adjetivos associados à feminilidade, como bela ou elegante, quando descrevem uma ponte, enquanto os hispanoparlamentes tendem a descrever uma ponte como sendo estereotipicamente masculina —alta, imponente ou forte.

“Se podemos fazer isso até com mesas, cadeiras ou regadores, é muito mais fácil e convincente fazê-lo com humanos”, disse Boroditsky.

Essas diferenças ligadas ao gênero podem ter implicações reais na sociedade. Pesquisadores do Banco Mundial encontraram evidências neste ano de que o “gênero gramático” exerce impacto causal negativo sobre a participação feminina na força de trabalho.

E um estudo recente com pessoas na Suécia, onde o pronome de gênero neutro “hen” foi acrescentado ao dicionário sueco oficial em 2015, constatou que a adoção do pronome não binário foi associada a atitudes mais favoráveis em relação às mulheres e à comunidade LGBTQ.

Segundo a lexicógrafa Paz Battaner, membro da Real Academia Espanhola, mudanças no vocabulário ocorrem com frequência, mas a gramática de uma língua raramente muda.

Para ela, não é impossível que a forma de espanhol de gênero neutro um dia se torne tão comum que a Academia a aceite. “Mas duvido que isso aconteça”, disse ela.

Mira pensou que se começasse a usar o espanhol de gênero neutro em seu próprio cotidiano, outras pessoas poderiam fazer o mesmo.

Ela começou a falar desse modo com seus amigos, com seus pais, com motoristas de táxi, até quando canta sozinha na cozinha de sua casa.

Em junho do ano passado, quando um jornalista de televisão a entrevistou diante de sua escola, as palavras de gênero neutro já estavam saindo de sua boca naturalmente.

Ao mesmo tempo, parlamentares argentinos se preparavam para votar sobre um projeto de lei de legalização do aborto, atraindo grandes multidões de mulheres jovens às praças e campi do país, usando as bandanas verdes que simbolizam o movimento pelo direito ao aborto.

Mira e suas colegas estavam participando de uma manifestação em favor da lei quando o jornalista se aproximou.

Questionada sobre a votação, Mira exortou os legisladores a não ficarem para a história como “aqueles que deixaram que centenas de mulheres e centenas de corpos gestantes continuássemos a morrer” em decorrência de abortos clandestinos.

E ao longo da entrevista ela empregou casualmente palavras de gênero neutro. Enquanto Mira falava, o jornalista, Eduardo Feinmann, ficava interrompendo para corrigi-la.

“Eu respeito sua forma de falar. Respeite o senhor também a minha”, disse Mira. “Minha forma é o espanhol. Não sei qual é a sua”, retrucou o jornalista.

O confronto, um entre vários, viralizou na Argentina e no mundo hispanoparlante, apresentando o espanhol de gênero neutro ao público dos meios de comunicação.

Mira converteu-se em alvo de ataques e gozações: para os argentinos conservadores ela representava a esquerda radical, as feministas que querem legalizar o aborto e as adolescentes que querem perturbar a sociedade.

Um ex-professor publicou no Facebook um meme em que Mira segurava uma pistola e usava espanhol de gênero neutro para contar uma piada de teor sexual. “Chega de feminazis”, escreveu ele.

Ataques como esses assustaram seus pais, que prestaram queixa contra o professor. Para eles, o ativismo de Mira mudou sua maneira de encarar o idioma espanhol e o mundo que os cerca.

“Comecei a me questionar: ‘Por que sempre dizemos senhores e senhoras’?”, disse a mãe de Mira, Norma Otero, professora de 63 anos que às vezes chama seus alunos de “menines” em lugar de “meninos e meninas”. “Por que nós sempre ficamos em segundo lugar?”

O “e” neutro foi se disseminando pouco a pouco, especialmente em Buenos Aires, capital socialmente progressista.

A menos de dois quilômetros do apartamento da família de Mira em Buenos Aires, o dono de um sebo contou que está repensando o idioma espanhol desde que sua sobrinha adolescente começou a ensiná-lo a usar a linguagem neutra.

“A linguagem não é algo que tenha obrigatoriamente que continuar sempre igual”, disse Darío del Río, 44.

A dez quilômetros a oeste, no bairro de Villa Santa Rita, Laura Soto Moreno, professora universitária de 31 anos, está ensinando seu filho de 3 anos a usar o “e”. Agora, ele chama seus amigos de “mes amigues” e seus primos de “mes primes”.

“Quero que ele entenda que o feminismo é uma forma de vida” e que o gênero é algo fluido, afirmou Soto Moreno.

Mas em círculos mais conservadores de Buenos Aires esse espanhol de gênero neutro é visto como um absurdo.

“É absolutamente ridículo”, disse Salvador Ugarde, veterinário aposentado de 65 anos que passeava com seu cachorro em um parque em Belgrano, bairro residencial arborizado na zona norte da capital.

Para Ugarte só existem dois gêneros, e o espanhol de gênero neutro só é usado por esquerdistas e pessoas “de classe baixa”.

Um amigo dele, Hernán Semprum, argumenta que é essencial preservar a pureza do idioma espanhol. “É o que realmente une todos os países” do mundo de língua espanhola, opinou esse professor venezuelano de direito, que tem 77 anos e vive na Argentina há mais de dez.

No mesmo parque em Belgrano, a psicóloga Agustina Taquini, 37, disse que as mulheres não deveriam precisar mudar o idioma para poderem avançar: “Isso acaba nos fazendo parecer mais fracas do que fortes”.

Para Mira, faz sentido que sua geração peça mais. Diferentemente da geração de seus pais, que cresceu em plena ditadura militar, ela só conheceu a democracia.

Mira tinha 9 anos quando a Argentina se tornou o primeiro país latino-americano a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo; tinha 11 quando foi aprovada uma lei de identidade de gênero que permite que pessoas transgênero mudem oficialmente seu gênero e seu nome legal; tinha 14 quando o assassinato brutal de uma garota de sua idade levou centenas de milhares de mulheres argentinas a manifestar-se contra os feminicídios, usando o slogan #NiUnaMenos, em uma série de protestos que se alastraram por boa parte da América Latina.

Agora, semanas antes das eleições presidenciais, Mira se preparava para reunir-se com milhares de militantes feministas no 34º Encontro Nacional de Mulheres que teria lugar na cidade de La Plata, a 60 km de Buenos Aires.

Com uma agenda centrada sobre os direitos das mulheres, o encontro estava previsto para atrair mais de 200 mil mulheres. O espanhol de gênero neutro estava ao centro do debate.

Levando uma mochila carregada, um saco de dormir e uma capa de chuva, Mira embarcou no trem com sua amiga Kiara Sánchez.

Observou como o vagão foi se enchendo de mulheres em cada parada: mulheres com lenços verdes no pescoço e amarrados às suas bolsas, mulheres cumprimentando velhas amigas, mulheres sentadas de pernas cruzadas no chão do trem, compartilhando o típico mate argentino com desconhecidas.

O trem chegou à estação de destino. Mira e Sánchez acompanharam a multidão de mulheres, desviando-se das poças de água na rua.

Uma grande faixa branca estava penduradas diante delas: “Bem-vindes a La Plata”, dizia, usando o “e” neutro.

A faixa trouxe à mente imediatamente as divisões internas que frequentemente afetam movimentos sociais amplos como este.

Durante mais de um ano, um grupo de ativistas havia exigido que o chamado “Encontro Nacional de Mulheres” substituísse seu nome por um mais inclusivo: “Encontro Plurinacional de Mulheres, Lésbicas, Travestis, Trans, Bissexuais, Intersex e Pessoas Não Binárias”.

As organizadoras rejeitaram a sugestão, aferrando-se ao título original.

As tensões reapareceram quando a noite caiu. Mira se juntou a um grupo de centenas de adolescentes que fizeram uma passeata nas ruas para chamar a atenção para as pessoas transgênero que são vítimas de assassinato na Argentina.

“Vamos, garotes”, gritou uma das líderes, com os cabelos tingidos de arco-íris, quando a passeata começou.

As estudantes cantaram músicas enquanto as famílias locais as observavam de seus balcões ou janelas.

Mas essas músicas, como Mira não demorou a observar, quase todas falavam de mulheres e empregavam pronomes femininos.

“Mulher, escuta, junta-te à luta”, dizia uma canção.

Mira não cantava. Tampouco sua amiga, Matilda González, de 18 anos. “A ideia era que esta noite fosse sobre pessoas trans e não binárias”, murmurou González, falando com Mira. “Mas só estão cantando canções sobre mulheres.”

Na última manhã do encontro, centenas de mulheres se reuniram diante de um palco, envoltas em mantas e cachecóis para enfrentar o frio.

O cheiro de linguiças grelhando nos postos de comida próximos pairava no ar. Diante das telas do palco, as organizadoras se esforçavam para se fazer ouvir por cima dos cantos da multidão, que exigia que o nome do encontro fosse mudado.

Uma a uma, dezenas de voluntárias se aproximaram do microfone e leram as conclusões do fim de semana de workshops e debates, assim como a lista de petições para o ano seguinte.

Entre elas, uma mensagem dirigida à Real Academia Espanhola. “Não queremos falar bem”, gritou uma mulher ao microfone. “A linguagem é uma construção social.”

“Que o uso do ‘e’ não torne invisíveis as lutas que se nomeiam com o ‘a’”, disse ela à multidão. “A linguagem é produto do poder hegemônico, patriarcal e sexista. Não é problema dizer empregada, mas presidenta, sim.”

Os críticos do espanhol frequentemente observam que, diferentemente de “empregada”, a palavra “presidenta” é vista por alguns como sendo gramaticalmente incorreta.

Mira se surpreendeu ao ouvir mulheres mais velhas usando o espanhol de gênero neutro. Era um sinal claro de que o “e” neutro está ganhando aceitação.

Mas, no dia seguinte, depois de retornar a Buenos Aires com sua amiga, Mira foi ao computador checar a cobertura do encontro feita pela mídia.

Os comentaristas conservadores tinham publicado fotos do encontro ironizando as palavras de gênero neutro que apareciam nos folhetos do evento.

As manchetes sobre o fim de semana ficaram em segundo plano diante de um debate presidencial e, mais tarde, da notícia de que o presidente argentino, Mauricio Macri, havia comparado o programa econômico de seus rivais políticos com responsabilizar uma esposa por cuidar das finanças de uma família.

“Em vez de pagar as contas, ela usou seu cartão de crédito”, havia dito.

Mira balançou a cabeça enquanto mostrava a notícia à sua amiga Kiara Sánchez, sentada a seu lado diante da mesa da sala. Ela fechou a página na internet, tomou um gole de mate e mudou de assunto.

Perguntou a Sánchez sobre seus planos para tirar férias no norte de país quando as aulas terminassem, em dezembro.

Mira pensou sobre o que o futuro lhe reserva quando a faculdade começar, quando ela deixar para trás seus amigos do grêmio estudantil Carlos Pellegrino.

Ela está pensando em estudar comunicações na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires, uma das escolas que anunciaram que vão aceitar o uso do espanhol de gênero neutro.

Mira vai continuar a usar o espanhol neutro em suas intervenções em aulas, em seus trabalhos e apresentações, mas se pergunta se sua forma de falar vai voltar a defini-la outra vez.

“Não quero ficar conhecida como a garota do ‘e’”, explicou. Mas talvez desta vez, pensou, ela não será a única.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.