'Lamentável, sr. Joe Biden', diz Bolsonaro após fala de candidato americano sobre Amazônia

Democrata disse que garantiria US$ 20 bilhões para preservação e ameaçou 'consequências econômicas'

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) classificou como lamentável a fala do candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, sobre a Amazônia e disse não estar à venda.

Ele reagiu —em português e em inglês— à declaração de Biden no caótico primeiro debate com seu opositor Donald Trump na noite de terça-feira (29).

O democrata Joe Biden no primeiro debate da eleição presidencial dos EUA nesta terça (29)
O democrata Joe Biden no primeiro debate da eleição presidencial dos EUA nesta terça (29) - Jim Watson/AFP

Ao abordar os incêndios que devastam parte da Costa Oeste dos EUA, Biden mencionou também as recentes queimadas na Amazônia e afirmou que uma de suas propostas é trabalhar com países ao redor do mundo para atacar o aquecimento global.

"A floresta tropical no Brasil está sendo destruída", criticou o democrata, que prometeu se juntar a outros países e oferecer US$ 20 bilhões (R$ 112 bi) para ajudar na preservação da região.

"Parem de destruir a floresta e, se não fizer isso, você terá consequências econômicas significativas", completou, indicando possíveis retaliações ao governo brasileiro.

"O candidato à Presidência dos EUA Joe Biden disse ontem [terça-feira] que poderia nos pagar US$ 20 bilhões para pararmos de 'destruir' a Amazônia ou nos imporia sérias restrições econômicas", escreveu Bolsonaro em uma rede social.

"O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. NOSSA SOBERANIA É INEGOCIÁVEL", continuou Bolsonaro, destacando com letras maiúsculas o fim da frase.

O presidente seguiu dizendo que seu governo está realizando "ações sem precedentes" na proteção à Amazônia. "Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o presidente Trump."

Bolsonaro disse ainda que "a cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade", mas ponderou que a "'externação' por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua".

"Custo a entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. Lamentável, sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável", encerrou Bolsonaro, antes de repetir o mesmo texto em inglês.

O Brasil tem sido alvo de frequente pressão internacional pela preservação da Amazônia. O governo tem se vitimizado, argumentando que se trata de uma campanha devido a interesses econômicos da Europa.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ironizou a fala de Biden. "Só uma pergunta: a ajuda dos US$ 20 bilhões do Biden é por ano?", publicou em uma rede social.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.