Descrição de chapéu Venezuela

Maduro se diz disposto a conversar com Guaidó com mediação internacional

Líder opositor propôs realizar novas eleições em troca do alívio de sanções internacionais

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Caracas | AFP

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quarta-feira (12) que está pronto para conversar, por meio de mediação internacional, com o líder oposicionista Juan Guaidó, que propôs uma negociação para pedir eleições livres em troca da suspensão progressiva das sanções contra os país.

"Agora o Guaidó quer sentar comigo. O que acham? [...] Concordo, com a ajuda da União Europeia, do governo da Noruega, do Grupo de Contato, quando quiserem, onde quiserem e como quiserem, estou disposto a me reunir com toda a oposição para ver o que sai de lá, se sai algo de bom e eles abandonam o caminho da guerra, da invasão, dos ataques, do golpe, e vêm para o caminho eleitoral", disse Maduro.

O ditador Nicolás Maduro durante discurso em Caracas
O ditador Nicolás Maduro durante discurso em Caracas - Manaure Quintero - 8.dez.20/Reuters

“Que ele [Guaidó] seja incorporado aos diálogos que já existem, que ele não se ache o líder supremo de um país que não o reconhece”, acrescentou o líder chavista.

A Noruega mediou negociações fracassadas entre os delegados de Maduro e Guaidó em 2019, que foram congeladas quando os Estados Unidos intensificaram suas sanções financeiras contra a Venezuela. Por sua vez, o Grupo Internacional de Contato, órgão criado para buscar alternativas à crise venezuelana e formado por vários países da América e da Europa, tem defendido sem sucesso novas abordagens.

Guaidó foi reconhecido em janeiro de 2019 como presidente interino da Venezuela por Estados Unidos, Brasil e mais de 50 países, mas não conseguiu tirar Maduro do poder e assumir o controle.

A ideia do líder oposicionista é costurar um pacto que inclua a convocação de um calendário de eleições, considerando as disputas presidencial, parlamentar, regional e municipal, com a presença de observadores internacionais, além da "entrada maciça de ajuda humanitária e vacinas contra a Covid-19" e a libertação de todos os presos políticos. Em troca, dispõe o compromisso da comunidade internacional para “oferecer incentivos ao regime, incluindo a retirada progressiva de sanções" impostas ao país.

Maduro descartou categoricamente, em várias ocasiões, a possibilidade de antecipar eleições presidenciais. Ele está no cargo desde 2012 e, pelas regras atuais, tem mandato até 2025.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

A proposta de Guaidó veio logo após o Parlamento, atualmente de ampla maioria governista, ter nomeado novas autoridades eleitorais. Trata-se de um Conselho Nacional Eleitoral (CNE) “que não reconhecemos”, disse Guaidó, recusando-se a participar das eleições municipais e regionais que foram anunciadas pelo CNE para este ano, em data a ser definida. Guaidó liderou o boicote dos principais partidos de oposição contra as eleições presidenciais de 2018 e parlamentares de 2020, denunciando-as como fraudulentas.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.