Na mesa com os talebans

Diplomacia americana se aproxima de um acordo de paz com a milícia

O presidente afegão, Ashraf Ghani (centro), e o enviado especial dos EUA para a paz no Afeganistão, Zalmay Khalilzad (esq.), conversam durante reunião em Cabul - Palácio Presidencial - 27.jan.19/Reuters

A expectativa de que os Estados Unidos venham a encerrar o mais longo conflito em que suas forças já estiveram envolvidas permite, por si só, ver com bons olhos o anúncio de que a diplomacia americana se aproxima de um acordo de paz com a milícia Taleban, no Afeganistão.

Já se vão mais de 17 anos de guerra, sem perspectiva concreta de um dos lados subjugar o outro. Até hoje, 147 mil pessoas morreram, e os gastos militares de Washington chegam a US$ 1 trilhão.

Pelos termos em discussão, os EUA se comprometem a retirar seus 14 mil homens do país da Ásia Central dentro de 18 meses, em troca de os talebans combaterem as redes de terrorismo e de iniciarem um diálogo com o governo central.

A busca por um pacto é o reconhecimento, por parte da Casa Branca, de que a eficácia da via militar se esgotou. Não se questiona, porém, a legitimidade do uso de tropas em solo afegão quando o então presidente George W. Bush recorreu a esse expediente extremo.

Tratava-se de resposta ao 11 de Setembro de 2001, ancorada em amplo apoio internacional —ao contrário da ofensiva unilateral no Iraque, dois anos mais tarde. O objetivo era tirar o Taleban do poder, em retaliação à guarida que o grupo dava a Osama bin Laden, mentor dos odiosos atentados.

Houve êxito em expulsar a facção de Cabul e pôr fim a cinco anos de um regime que açoitava mulheres, minorias e qualquer adversário político com base em uma interpretação estrita das leis islâmicas.

Fracassou, contudo, o intuito posterior de estabilizar o país. O Taleban se manteve em vastas porções do interior, e o Estado pós-invasão permanece frágil e corrupto. Não à toa, a permanência dos soldados americanos foi se estendendo por tempo indeterminado.

A retirada por meio de um pacto bem-sucedido traria ganho de imagem à até agora conturbada política externa de Donald Trump.

Nessa seara, a maioria de suas ações teve repercussão negativa, como a retirada do Acordo de Paris. E uma outra negociação importante, para a Coreia do Norte se desfazer de armas nucleares, esbarra nas poucas garantias de que o ditador Kim Jong-un fará sua parte.

Desse mesmo risco, aliás, sofrem as conversas com os insurgentes afegãos. É difícil confiar no compromisso antiterrorismo daqueles que se habituaram a promover ataques. Ademais, nada indica que tenham de fato incorporado valores democráticos.

São ressalvas significativas, mas perseguir um mínimo entendimento com o Taleban é o único caminho possível para sair do atoleiro.

editoriais@grupofolha.com.br ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.