Mesmo demitida, Luislinda é designada por Temer para viagem à Suíça

Ex-ministra dos Direitos Humanos representará o país em reunião da ONU

Gustavo Uribe
Brasília

Mesmo exonerada do cargo de ministra dos Direitos Humanos, a desembargadora aposentada Luislinda Valois foi designada pelo presidente Michel Temer para viajar à Suíça no próximo sábado (24).

A viagem, às custas do governo brasileiro, é para que ela represente o país na 37ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, em Genebra.

A designação foi publicada na edição desta quarta-feira (21) do "Diário Oficial da União". A previsão é de que ela permaneça na Suíça até 2 de março [a ministra acabou desistindo da viagem].

A ex-ministra de Direitos Humanos Luislinda Valois - Alan Marques - 3.fev.2017/Folhapress

A exoneração de Luislinda e a nomeação de Gustavo do Vale Rocha para o seu lugar foi publicada na terça-feira (20).

Procurado pela Folha, o Palácio do Planalto ainda não se pronunciou sobre o motivo dela ter sido escalada mesmo demitida.

O presidente aproveitou reestruturação na Esplanada dos Ministérios para demitir a ministra, após o envolvimento dela em uma série de polêmicas.

Temer avalia, com a criação do Ministério da Segurança Pública, rebaixar Direitos Humanos e transformá-lo novamente em uma secretaria nacional subordinada ao Ministério da Justiça.

Ele, contudo, ainda pondera os impactos da iniciativa junto a entidades da área e tem sido aconselhado por assessores e auxiliares presidenciais a mantê-la.

Com a saída de Luislinda, não há mais negros no primeiro escalão da Esplanada dos Ministérios e restou apenas uma mulher: a ministra-chefe da AGU (Advocacia-Geral da União), Grace Mendonça.

DESCONFORTO

No cargo, Luislinda causou mais de uma vez desconforto ao presidente. No ano passado, por exemplo, ela solicitou ao governo o pagamento pelos cofres públicos de pelo menos R$ 300 mil.

O valor retroativo seria a soma da quantia que foi abatida pelo teto constitucional do acumulado do vencimento integral recebido por ela com a aposentadoria de desembargadora pela Bahia.

Segundo a íntegra do pedido, obtida pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação, ela alegava que o trabalho executado sem a correspondente contrapartida se assemelha a trabalho escravo.

Como não teve resposta, ela chegou a pedir que o processo fosse encaminhado à procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

No início do ano passado, a Folha revelou também que a ministra afirmava ter sido condecorada com o título de embaixadora da paz da ONU em 2012.

As próprias Nações Unidas, contudo, dizem que o posto não existe. O prêmio, na verdade, foi dado por uma ONG fundada pelo líder religioso coreano Sun Myung Moon.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.