Descrição de chapéu Eleições 2018

Haddad diz que empresários no Brasil têm dificuldade com a modernidade

Coordenador do programa de governo de Lula, ex-prefeito de São Paulo diz que elite é majoritariamente atrasada

Catia Seabra
São Paulo

Coordenador do programa de governo do PT e apontado como potencial alternativa ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad afirma que o empresariado brasileiro precisa se educar para a democracia. 

"Eles [os empresários] têm dificuldade com a modernidade". Nesta entrevista, Haddad também diz que o candidato Geraldo Alckmin (PSDB) é o governo Temer sem Temer. 

Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo e atual coordenador da campanha de Lula (PT) - Danilo Verpa/Folhapress

O PT propõe fixação de mandato nos tribunais. Isso não pode ser considerado revanchismo contra o Judiciário? De maneira nenhuma. É comum nos países desenvolvidos fixar mandato para as cortes constitucionais. Uma pessoa que é indicada aos 40 para permanecer num tribunal até os 75 anos talvez não dê a agilidade necessária para que os tribunais atualizem jurisprudência. Não tem nada nesse programa que não tenha amparo nas mais ricas experiências. Na questão da concessão dos meios de comunicação, as duas principais influências foram EUA e Inglaterra. Tanto é verdade que esse tipo de regulação liberal tem o apoio de um veículo como a Folha de S.Paulo. Acho que a Folha não pode ser considerada exatamente um órgão de esquerda.

Será uma regulação econômica, como diz a presidente do partido, Gleisi Hoffmann? No Brasil, temos a política se imiscuindo demais na comunicação. Queremos isolar mais o mundo político-partidário do mundo da comunicação. Para garantir mais pluralismo, contraditório e liberdade de expressão. Existe uma agenda que é impedir a propriedade cruzada, a concentração vertical e a concentração horizontal.
 
Como vai ser feito o controle? Não é um controle de conteúdo. A direita patrimonialista vai tentar vender como censura. Mas contamos com órgãos mais isentos como a Folha para defender o nosso ponto de vista, que é liberal. Temos muita maturidade. Governamos o Brasil 12 anos em clima de total liberdade. 

Não existe um clima de inconformismo na elaboração do programa dado o ambiente político? Procuramos fazer um programa moderno, aderente ao que tem de mais avançado na literatura internacional. 

O programa do PT é mais avançado que o país? Mais avançado que o status quo, com certeza. Estamos dialogando com uma modernidade da base para o topo. Não com o ápice da pirâmide. 
 
Então, o sr não admite o diálogo com as chamadas elites? Há setores modernos. Mas a elite é majoritariamente atrasada, tanto é que parte dela acha natural um candidato como o Bolsonaro à Presidência. Não é com essa que vamos dialogar. Há setores indignados com isso. Consideram não só a candidatura do Bolsonaro, mas a própria candidatura do Alckmin, encorpada pelo chamado centrão, que é o que tem de mais fisiológico no país, como um atraso. Queremos conversar com a elite que tem essa visão de futuro.

A Carta aos Brasileiros foi revogada, já que era um aceno aos bancos? Alguém imagina que vamos reativar a economia com um trabalhador pobre pagando por três geladeiras para levar uma para casa? Não posso criar mecanismos indutores de redução de spread num setor claramente oligopolizado? Vamos introduzir regras de progressividade tributária no setor bancário para induzir fortemente a redução dos spreads. É uma ideia inovadora que vai regular o mercado de créditos no Brasil. 

Neste momento o PT está sozinho. Do outro lado o Alckmin vai ter 40% do tempo de TV. O Alckmin é a continuidade do establishment. A continuidade do governo Temer sem o Temer. [Os tucanos] Vão fazer uma ação diversionista de dizer que não têm nada a ver com o governo que está em curso. Alckmin se comprometeu com todas as propostas do governo Temer. As propostas foram elaboradas pelos tucanos. 

Quem vai falar isso com clareza, com o candidato preso? As pessoas não veem o Lula. As pessoas sentem o Lula. Vá nas periferias das cidades, no campo. Vá no Nordeste. As pessoas sabem quem é o Lula. Faça pesquisas sobre o que está acontecendo. As pessoas perguntam se o Lula está sendo perseguido. 75% respondem que sim.

Mas isso não significa que o candidato a ser indicado pelo Lula vá herdar... Mas isso se houver duas negativas que ainda não foram dadas. Vocês estão contando com duas negativas que ainda não foram dadas, uma do TSE e outra do STF.

Então o senhor acredita que o Lula será candidato? Se a jurisprudência dos tribunais for mantida, ele será. 

Ainda assim ele está preso. Quem vai falar por ele? Ele próprio. E as lideranças do partido. 

Mas ele não pode gravar. Ele vai falar por carta? Aí você precisa fazer uma entrevista com o Lula. Ele está há cem dias nessa situação e nem por isso a intenção de voto nele diminuiu. Pelo contrário. 

O sr. concorda com a manutenção da candidatura Lula? Seria um desastre qualquer outra atitude que não fosse estar com Lula neste momento.

Mas o senhor reconhece que é uma estratégia arriscada? Eu reconheço que é a única e é arriscada. Mas é a única. 

Ciro Gomes, na convenção, fez uma espécie de mea-culpa. O senhor entendeu como uma tentativa de reaproximação com o PT? Que seja. Ótimo. Todos os que se confrontam contra esse projeto precisam estar unidos. Apresentando uma alternativa responsável. O governo Lula foi o mais responsável de todos os governos da história. 

Os empresários enxergam o governo do PT como ameaça. Mas a história é cheia de idas e vindas. Eles vão se educar. Eles precisam ser educados para a democracia. 

Eles os empresários, o senhor diz? Os que estão hoje com uma visão totalmente distorcida da realidade. Eu já vi elogios de empresários ao Bolsonaro. Em que mundo essas pessoas estão vivendo? Que uma parcela da sociedade, desinformada, possa se sentir seduzida por um discurso fácil e tosco... Mas capitão da indústria fazer isso? É muito surpreendente. 

 Lula disse que os empresários são ingratos porque eles não reconheceram os avanços. Eles têm dificuldade com a modernidade, a maioria. Não todos. Tenho muitos amigos empresários que são modernos, querem o bem do país, entendem que o caminho é combater a desigualdade e a exclusão, é promover direitos. Eles nem sempre têm voz e coragem, para se manifestar publicamente. 

O sr. já foi chamado de o mais tucano dos petistas. Isso o tornaria mais palatável, caso o sr. fosse candidato? É que essa possibilidade não está colocada.

Mas o sr. estaria disposto? Não é essa a discussão no PT. A verdade é que não há. Pelo menos com as partes interessadas. Nunca discuti com o Lula esse assunto. 

Como ele está durante as visitas? Ele está disposto a tudo para recuperar o Brasil. Tá muito disponível, com uma energia até maior né? Porque gasta menos. Lendo muito, informado. Pergunte para todos os que visitaram: as pessoas saem melhor do que entram.

Mesmo que PT perca, o sr. acha que essa campanha seria importante para o futuro do partido? Toda campanha pode ser importante para o futuro do partido se for bem feita. Existe vitória eleitoral e vitória política. O melhor é que as duas sigam juntas. Mas você pode ter vitória política e derrota eleitoral. O pior é ter vitória eleitoral e derrota política, é o pior mundo.

Colaboraram Gabriela Sá Pessoa e Marco Rodrigo Almeida

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.