Descrição de chapéu Eleições 2018

Eu resolvo quando for presidente, diz Bolsonaro sobre morte de militar no Rio

Candidato foi ao velório de militar morto em confronto sob a intervenção federal no estado

Júlia Barbon
Rio de Janeiro

O deputado federal e capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL) foi ao sepultamento do cabo do Exército Fabiano de Oliveira Santos, 36, o primeiro militar morto em confronto sob a intervenção federal no Rio de Janeiro.

Questionado sobre o que a intervenção poderia fazer para evitar esse tipo de morte, o candidato se limitou a dizer, com os olhos marejados: “Eu resolvo quando eu for presidente”.

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) deixa cemitério após assistir ao funeral de soldado que morreu em confronto no Rio de Janeiro
O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) deixa cemitério em Japeri, na Baixada Fluminense, após assistir ao funeral de soldado que morreu em confronto no Rio de Janeiro - Leo Correa/AP

Fabiano foi baleado no ombro na manhã desta segunda (20) durante uma operação das forças de segurança nos complexos de favelas do Alemão, da Penha e da Maré, na zona norte do Rio, em uma área conhecida como Serra da Misericórdia.

O Comando Militar do Leste (CML) disse que ele morreu a caminho do hospital, mas não esclareceu a dinâmica do conflito.

Após acompanhar o sepultamento do cabo, em Japeri (Baixada Fluminense), que contou com a presença de muitos militares e foi fechado à imprensa, Bolsonaro afirmou que não daria mais declarações sobre a morte e a intervenção federal, em respeito à família, e seguiu direto ao Itaú em Botafogo, na zona sul, onde abriria a conta de seu partido.

Ele não ficou para o enterro do segundo militar morto na mesma operação da zona norte, João Viktor da Silva, 21. O integrante do 25º Batalhão de Infantaria Paraquedista foi atingido na cabeça e chegou a ser levado ao Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu.

Jair Bolsonaro lidera as intenções de voto à Presidência em um cenário sem o ex-presidente Lula, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta segunda. Ele aparece com 20% da preferência do eleitorado, seguido por Marina Silva (Rede), com 12%, e Ciro Gomes (PDT), com 9%.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.