Descrição de chapéu Eleições 2018

Personagem de humor, Barão de Itararé se autoproclamou imperador da Ursas

Ideia era semelhante à da Ursal, que virou meme após citação do Cabo Daciolo em debate

Rodolfo Stipp Martino
São Paulo

No debate entre candidatos a presidente na última quinta-feira (9), Cabo Daciolo (Patriota) utilizou, de forma séria, a sigla Ursal para se referir a um suposto plano para a construção de uma União das Repúblicas Socialistas da América Latina.

O termo virou piada na internet. Mas, na década de 30, o jornalista e humorista Apparício Torelly já brincava nas páginas da publicação A Manha, uma sátira ao jornal A Manhã, com algo semelhante.

Em seus textos de humor, ele criou a Ursas —que seria a União das Repúblicas Socialistas da América do Sul. A sigla era muito parecida à URSS, da União Soviética

O jornalista usava o nome Barão de Itararé, mas, gradativamente, foi aumentando o seu falso título de nobreza. Passou a dizer que tinha virado duque, grão-duque e imperador.

No dia 21 de novembro de 1931, a Manha publicou um “Manifesto á União das Republicas Sacialistas da Ameaica do Sul” (sic).

Na página, estava destacado que: “O grão-duque de Itararé corôa-se imperador dos povos opprimidos do continente austral do novo mundo” (sic).

Torelly ficou muito popular com os textos de humor. Na política, concorreu a uma cadeira de vereador no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, pelo PCB, em 1947.

 
O jornalista e escritor Barão de Itararé, durante entrevista ao jornal "Última Hora"
O jornalista e escritor Barão de Itararé, durante entrevista ao jornal "Última Hora" - Acervo UH/Folhapress


O seu lema era "Mais leite! Mais água! Mas menos água no leite!". Elegeu-se com 3.669 votos. Porém, em janeiro de 1948, os vereadores do partido foram cassados.

Torelly continuou a sua vida no jornalismo.

No livro “AlManhaque”, publicado em 1955 e ampliado em 1995 –em parceria com o diagramador e chargista paraguaio Andre Guevara–, a sigla Ursas voltou a aparecer.

​Ele brincou escrevendo que a “embaixada mais austera, mais solene e alinhada, entre as 50 representações estrangeiras” que vieram assistir à posse de Juscelino Kubitschek como presidente foi “sem dúvida a chefiada pelo exmo. sr. Barão de Itararé, que compareceu ao Palácio Tiradentes por si e pelo Território Livre de Itararé, que já faz parte das Ursas”.

Reprodução do livro "Almanhaque 1955 Segundo Semestre" ou "Almanaque d' A Manha", do jornalista Aparício Torelly, o Barão de Itararé
Reprodução do livro "Almanhaque 1955 Segundo Semestre" ou "Almanaque d' A Manha", do jornalista Aparício Torelly, o Barão de Itararé - Reprodução
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.