Descrição de chapéu Eleições 2018

Amoêdo diz que Bolsonaro 'nunca contribuiu para nada' e condiciona apoio a avaliação de princípios

Ex-banqueiro aparece nas pesquisas com 3% das intenções de voto

Ricardo Balthazar
São Paulo

O candidato do partido Novo a presidente, João Amoêdo, afirmou nesta quarta (3) que a incoerência entre o discurso do líder da corrida presidencial, Jair Bolsonaro (PSL), e sua atuação como deputado federal põe em dúvida suas promessas de renovação da política.

"Ele nunca contribuiu para nada em duas décadas de atividade parlamentar", afirmou. "É difícil imaginar que alguma mudança venha daí, e por isso sou muito cético sobre seu discurso."

Ex-banqueiro que entrou na corrida presidencial para dar impulso ao partido que fundou e sua plataforma liberal, Amoêdo aparece nas pesquisas com 3% das intenções de voto e tem sido pressionado por seguidores a aderir à onda conservadora que levou Bolsonaro à liderança.

Candidato à Presidência da República, João  Amoedo
Candidato à Presidência da República, João Amoedo - Jardiel Carvalho - 27.set.2018/Folhapress

O candidato do Novo ao governo de Minas Gerais, Romeu Zema, chegou a pedir votos para Bolsonaro, e não só para Amoêdo, no fim de um debate na noite de terça (2). O partido repreendeu o candidato publicamente, lembrando o compromisso que seus filiados têm com a disciplina partidária.

Amoêdo, que não quis opinar sobre Zema, disse acreditar que dificilmente a eleição presidencial será liquidada no primeiro turno e afirmou que os rumos do Novo no segundo turno serão definidos pelo diretório nacional após avaliação das propostas dos candidatos que disputarem a rodada decisiva.

Embora não faça parte do diretório, Amoêdo afirmou que deverá participar das discussões. De acordo com o estatuto do Novo, candidatos e detentores de mandato eletivo não podem ocupar cargos na burocracia partidária. 

"Uma definição no primeiro turno tiraria do eleitor a chance de fazer uma escolha consciente e debater melhor as propostas dos candidatos", afirmou Amoêdo. "No segundo turno, espero que o partido discuta ideias e princípios antes de decidir o que fazer."

O candidato do Novo descartou a possibilidade de apoio a Fernando Haddad (PT), o segundo colocado nas pesquisas, num eventual segundo turno. "O PT não reconhece seus erros e não merece crédito", afirmou. "Há incoerência no fato de ele ainda ser visto por tantos eleitores como uma perspectiva."

Fundado em 2011, o partido Novo só teve o registro aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral em 2015. Elegeu quatro vereadores nas eleições de 2016 e participa pela primeira vez de uma disputa nacional, com cinco candidatos a governador e centenas de candidatos à Câmara dos Deputados e às Assembleias Legislativas.

Em 2014, quando a sigla ainda estava se constituindo, o Novo declarou formalmente apoio a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno, contra Dilma Rousseff (PT).

Em 2016, o partido manteve neutralidade no Rio, em Belo Horizonte, Porto Alegre e outras cidades onde houve segundo turno na eleição para prefeito. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.