Bolsonaro responde a críticas de Haddad, que sugere 'debate frente a frente'

Em rede social, presidente chamou adversário de 'fantoche de presidiário'

São Paulo

Quatro dias após assumir a Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) voltou a bater boca em redes sociais neste sábado (5) com o seu principal adversário da campanha eleitoral, Fernando Haddad (PT).

Bolsonaro respondeu a críticas do petista feitas na internet e o chamou de "marmita" e de "fantoche de presidiário", em referência ao ex-presidente Lula.

"Haddad, o fantoche do presidiário corrupto, escreve que está na moda um anti-intelectualismo no Brasil. A verdade é que o marmita, como todo petista, fica inventando motivos para a derrota vergonhosa que sofreram nas eleições, mesmo com campanha mais de 30 milhões mais cara", publicou Bolsonaro.

Na noite de sexta-feira (4), o candidato derrotado do PT à Presidência havia postado em seu perfil um artigo de um jornalista alemão que vive no Brasil tratando de anti-intelectualismo.

Nos últimos dias, o petista também havia criticado o reajuste abaixo do previsto do salário mínimo pelo novo governo, as mudanças na Funai e insinuou que o imbróglio envolvendo o aumento do IOF mostrou o motivo pelo qual Bolsonaro não participou de debates no segundo turno.

Em outra postagem, Bolsonaro publicou: "Eles [adversários] procuram e criam todos os motivos possíveis para estarem sendo rejeitados pela maioria da população, só não citam o verdadeiro: o PT quebrou o Brasil de tanto roubar, deixou a violência tomar proporções de guerra."

Haddad respondeu na rede social.  "Na verdade, quem disse isso [a respeito do anti-intelectualismo] foi um jornalista da Deutsche Welle, mas se você já se sentir seguro para um debate frente a frente, estou disponível. Forte abraço!"

No segundo turno da eleição, Bolsonaro e Haddad trocaram ataques em seus perfis no Twitter. O petista criticou a ausência do rival nos debates, enquanto o então candidato do PSL respondia o chamando de "poste".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.