Maioria dos brasileiros lutaria pelo país em caso de guerra, segundo Datafolha

Apoio é maior entre os homens a partir de 45 anos e com ensino fundamental; país não tem histórico recente em grandes conflitos

Rodrigo Borges Delfim
São Paulo

Você estaria disposto a lutar pelo Brasil caso o país se envolvesse em uma guerra? Para 62% dos brasileiros ouvidos pelo Datafolha, a resposta foi sim.

Outros 37% afirmaram que não estariam dispostos a entrar em combate, enquanto 1% disse não saber.

Cerimônia de encerramento das atividades do Exército brasileiro no Haiti, onde o Brasil liderou a missão de paz da ONU desde 2004
Cerimônia de encerramento das atividades do Exército brasileiro no Haiti, onde o Brasil liderou a missão de paz da ONU desde 2004 - Danilo Verpa - 31.ago.2017/Folhapress

A concordância de pegar em armas pelo país em caso de guerra é maior entre homens (68%), mas também é majoritária entre as mulheres (56%).

A adesão à ideia também é maior entre os entrevistados mais velhos –o apoio é de 64% na faixa entre 45 e 59 anos e chega a 69% a partir dos 60 anos.

A disposição em lutar pelo país em caso de conflito armado também é maior entre eleitores que tem o ensino fundamental como escolaridade (68%).

Entre os que discordam, a maioria tem ensino superior (46%) e é jovem (40% nas faixas entre 16 a 24 anos e de 25 a 34 anos).

A pesquisa, realizada em dezembro, ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Em seu artigo 4º, a Constituição de 1988 traz como princípios norteadores das relações internacionais do Brasil a defesa da paz, a solução pacífica de conflitos e a cooperação entre os povos para o progresso da humanidade.

O Brasil não toma parte em um grande conflito armado internacional desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando atuou ao lado dos Aliados contra a aliança formada por Alemanha, Itália e Japão.

O país atualmente contribui com tropas para missões de paz das Nações Unidas —segundo o Ministério da Defesa, já foram 50 mil militares enviados para cerca de 50 operações.

Entre outras ações, o Brasil liderou a Minustah, missão da ONU para estabilização do Haiti (2004-2017) e chefia a Força-Tarefa Marítima, que atua na costa do Líbano desde 2011. Em abril de 2018, o general brasileiro Elias Rodrigues Martins Filho foi escolhido para comandar a Monusco, força de paz da ONU na República Democrática do Congo.

Se o Brasil se envolvesse em uma guerra, hoje, eu estaria disposto a lutar pelo país?

46% concordam totalmente
16% concordam parcialmente
9% discordam em parte
28% discordam totalmente
1% não sabe







 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.