Na onda bolsonarista, otimismo com próximo Congresso é o mais alto dos últimos anos

Apesar de continuar muito alta, cai a 48% rejeição ao atual trabalho de deputados e senadores

Ranier Bragon
Brasília

​A onda que elegeu Jair Bolsonaro (PSL) levou a população brasileira a demonstrar o maior otimismo dos últimos anos com o trabalho de deputados federais e senadores que tomarão posse em 1º de fevereiro, mostra o Datafolha.

Pesquisa realizada na segunda quinzena de dezembro aponta que 56% dos entrevistados dizem acreditar que os novos congressistas terão um desempenho ótimo ou bom, número impulsionado por aqueles que votaram e/ou demonstram otimismo com a gestão de Bolsonaro.

O Congresso que trabalhará de fevereiro de 2019 a janeiro de 2023 terá uma nova feição. Na Câmara, por exemplo, mais da metade de suas 513 cadeiras serão renovadas em relação à atual composição, com destaque para o fortalecimento de grupos de direta alavancados pela onda bolsonarista.

Apesar de ainda ser muito alta, a rejeição ao trabalho desempenhado pelo atual Congresso diminuiu em relação aos recordes verificados em 2017 —agora 48% dos entrevistados apontam ser ruim ou péssimo o trabalho dos parlamentares, contra 60% em novembro de 2017, um mês após a Câmara dos Deputados barrar a segunda denúncia criminal da Procuradoria-Geral da República contra o então presidente Michel Temer (MDB).

O Datafolha entrevistou 2.077 pessoas nos dias 18 e 19 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

De acordo com o instituto, apenas 8% dizem acreditar que será ruim ou péssimo o desempenho do novo Congresso (28% consideram que será regular).

O Datafolha também fez a mesma pergunta em 2010 e 2014, na véspera da posse do Congresso. Na ocasião, o otimismo era de 49% e 40% com o trabalho futuro, respectivamente.

A nova Câmara dos Deputados terá um aumento da representação de militares e líderes evangélicos, enquanto professores e médicos terão participação menor.

A guinada conservadora no Congresso, ocorrida com base no resultado das urnas, também vai reforçar a atuação das bancadas temáticas conhecidas como “boi, bala e Bíblia” —frentes parlamentares pautadas por interesses do agronegócio, de setores linha-dura da segurança pública e de religiosos.

Além de projetos relativos a costumes —aliados de Bolsonaro tentarão emplacar novamente a Escola sem Partido—, a prioridade dos parlamentares neste primeiro semestre deverá ser a análise da reforma da Previdência, projeto que foi engavetado pela legislatura que se encerra no dia 31.

Em relação ao trabalho que se iniciou em fevereiro de 2015 e termina agora, a aprovação (ótimo e bom) aos congressistas é de apenas 13%. Apesar de ser baixa, cresceu em relação a novembro de 2017, quando era de só 5%.

A atual legislatura foi, na média, a mais mal avaliada da história recente. Ela começou sob o comando de Eduardo Cunha (MDB-RJ) na Câmara, condutor do processo que resultou no impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016. Hoje Cunha está preso em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.

Após assumir o governo, em maio de 2016, Michel Temer formou seu ministério com vários congressistas, o que o ajudou na tarefa de barrar na Câmara as duas denúncias criminais da Procuradoria-Geral da República contra ele.

Um mês após congelar a segunda, o Congresso atingiu o seu recorde de reprovação popular, segundo Datafolha, 60% de rejeição em novembro de 2017.

Do ponto de vista da imagem negativa de deputados e senadores, só dois períodos se aproximaram do atual, desde a redemocratização do país. Em 1993, último ano da hiperinflação e data do estouro do escândalo dos Anões do Orçamento —grupo de congressistas acusados de desviar recursos públicos para os próprios bolsos—, quando a reprovação estava em torno de 55%; e em 2005, ano da revelação do esquema do mensalão, quando chegou a 48%.

A estratificação dos dados da pesquisa do Datafolha mostra que os entrevistados que se declaram com ensino superior e os mais ricos são os mais críticos em relação ao atual Congresso e os mais pessimistas com o próximo. Para esses, a rejeição à atual legislatura fica em torno de 60% e o otimismo com o a próxima não supera 48% 

No campo dos que avaliam menos mal os atuais parlamentares e demonstram mais confiança nos próximos estão os eleitores do Centro-Oeste e Norte e aqueles que afirmaram ter votado em Bolsonaro ou ter boa expectativa com sua gestão. Para 69% dos eleitores do atual presidente da República, por exemplo, o desempenho dos próximos congressistas será bom ou ótimo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.